Economia

Bruxelas prevê "recuperação forte" da economia portuguesa em julho

Esta garantia surge uma semana antes do executivo comunitário divulgar as previsões macroeconómicas da primavera.

O vice-presidente executivo da Comissão Europeia prevê uma "recuperação bastante forte" da economia portuguesa no segundo semestre do ano. Valdis Dombrovskis justifica esse aumento com o levantamento das restrições e com o avançar do plano de vacinação, permitindo assim a retoma do turismo.

"A economia portuguesa tem seguido, em termos gerais, o padrão a que assistimos em toda a Europa no ano passado, com uma recessão substancial, principalmente devido a medidas restritivas que foram postas em prática para conter a pandemia", disse em entrevista à Lusa, em Bruxelas.

Esta garantia surge uma semana antes do executivo comunitário divulgar as previsões macroeconómicas da primavera -- que permitirão dar uma ideia mais clara da evolução da situação económica da União Europeia (UE) e da zona euro neste ano e no próximo após a recessão gerada pela pandemia -, Valdis Dombrovskis não avança dados, mas admite esperar um cenário mais otimista, nomeadamente para o setor do turismo.

"É claro que sabemos que no caso de Portugal, como no caso de um número considerável de países, o turismo é um setor essencial e, por isso, o lançamento do certificado verde digital [...] é muito importante, de modo a ter em conta diferentes situações", elenca Valdis Dombrovskis.

E numa altura em que a presidência portuguesa do Conselho da UE negocia esta proposta legislativa com o Parlamento Europeu, o vice-presidente executivo da Comissão Europeia destaca que Portugal está a "trabalhar bastante intensamente" para conseguir avanços neste dossiê.

Nas previsões macroeconómicas mais recentes, divulgadas em fevereiro passado, a Comissão Europeia voltou a rever em baixa o ritmo da recuperação económica este ano na Europa, devido à pandemia, estimando que a zona euro cresça 3,8% e a UE 3,7%.

Esta previsão de subida do Produto Interno Bruto (PIB) compara com uma projeção anterior, de novembro passado, que projetava um crescimento de 4,2% na zona euro e de 4,1% no conjunto da UE em 2021.

Ainda nas previsões intercalares de inverno divulgadas em fevereiro, o executivo comunitário previu um crescimento do PIB português de 4,1% este ano, uma revisão em baixa da previsão anterior de 5,4% feita em novembro.