Internacional

Zaragatoas usadas eram vendidas como novas num aeroporto na Indonésia. Cinco funcionários foram detidos

Cerca de nove mil passageiros do aeroporto em Medan terão sido testados com estas zaragatoas. 


Na Indonésia, cinco funcionários de uma empresa farmacêutica foram detidos por terem reutilizado zaragatoas usadas em testes à covid-19.

Cerca de nove mil passageiros do aeroporto em Medan, capital da Indonésia, terão sido testados com as zaragatoas que foram lavadas, empacotadas e vendidas novamente, informa a BBC News.

As autoridades acreditam que o esquema começou em dezembro de 2020, no aeroporto de Kualanamu.

Note-se que todos os viajantes que entrem na Indonésia são obrigados a apresentar um teste negativo à covid-19 para viajar e o aeroporto tem a opção de realizar o teste no local.

Após queixas de alguns passageiros de que teriam tido falsos resultados positivos nos testes, a polícia encarregou-se de investigar estas ocorrências e descobriu o esquema de reutilização de zaragatoas.

Segundo os meios de comunicação locais, citados pelo jornal britânico, existem mais de duas dezenas de testemunhas e há suspeitas de que os lucros arrecadados pelo esquema – cerca de mais de 100 mil euros – eram injetados para a construção de imóveis de luxo por parte de um dos suspeitos.

Na semana passada, os cinco funcionários da Kimia Farma, a farmacêutica do Estado responsável pelos testes, foram detidos, incluindo o gerente da empresa em Medan. Estão acusados de violar leis de saúde e direitos do consumidor.

Agora, a empresa corre o risco de ser processada por vários passageiros que admitem levar a Kimia Farma a tribunal.