Politica

Francisco Rodrigues dos Santos considera João Galamba "cowboy do teclado" e desafia-o a explicar "ódio ao jornalismo"

Em causa, está um comentário que o secretário de Estado adjunto e da Energia fez no Twitter, no qual adjetivou o programa 'Sexta às 9' da RTP1 de "estrume" e "coisa asquerosa". 


O presidente do CDS-PP desafiou, esta terça-feira, o secretário de Estado Adjunto e da Energia, apelidado pelo líder centrista de “’cowboy' do teclado”, para sair das redes sociais e explicar em público “porque é que tem tanto ódio ao jornalismo”.

Em causa, está o comentário que João Galamba fez no Twitter, este sábado, sobre o programa 'Sexta às 9' da RTP1: "Lamento, mas estrume só mesmo essa coisa asquerosa que quer ser considerada 'um programa de informação'".

O secretário de Estado eliminou este ‘tweet’, porém este continua a ser partilhado nas redes sociais através de uma imagem de captura de ecrã.

Para Francisco Rodrigues dos Santos, "o facto de ter retirado a sua publicação não apaga aquilo que disse, o que escreveu, e que foi do conhecimento do país. Foi uma tentativa de condicionar, ofender e agredir verbalmente o jornalismo que é fundamental para a existência da nossa democracia".

Em declarações aos jornalistas após uma reunião com a associação empresarial COTEC, o líder democrata-cristão disse que João Galamba é "um 'cowboy' do teclado, que destila ódio contra tudo e todos nas suas redes sociais" e que desta vez, "de forma vil e grosseira, atacou o jornalismo".

Francisco Rodrigues dos Santos pediu ao secretário de Estado para sair "de onde está escondido, atrás do teclado, e venha a público explicar porque é que tem tanto ódio ao jornalismo".

"Aliás, eu até sou capaz de perceber porquê, porque o jornalismo é incómodo quando investiga, quando procura a verdade, quando denuncia os factos e isso, para quem tem a escola de José Sócrates [antigo primeiro-ministro e secretário-geral do PS] não é muito bom de ver", assinalou.

O presidente do CDS-PP defendeu a demissão do secretário de Estado e reprovou a postura do primeiro-ministro em relação ao sucedido, ao sublinhar que António Costa não disse “uma única palavra”.

"João Galamba já devia ter colocado o lugar à disposição, já se devia ter demitido, e se não o fizesse devia ter sido o primeiro-ministro a vir a público pedir desculpas por este ato do seu membro do Governo e demiti-lo, à semelhança daquilo que fez com João Soares em 2016, em que chegou inclusivamente a dizer que os membros do Governo até à mesa do café não se podiam se esquecer dessa qualidade", sustentou ‘Chicão’.

Francisco Rodrigues dos Santos criticou também a falta de qualquer punição na sequência destes casos, que atacam “um pilar fundamental da democracia, que é o jornalismo independente”.

"Num Estado democrático, o jornalismo não pode ser condicionado nem pode ser ameaçado por nenhum governante. E se esta situação tivesse sido perpetrada por um membro de um governo de direita caía o Carmo e a Trindade", afirmou, ao indicar que esta situação "só tem uma solução, que é a demissão do secretário de Estado João Galamba", apontou o líder do CDS-PP, que também já pediu a demissão de Eduardo Cabrita, na sequência da entrada de migrantes no empreendimento Zmar, em Odemira.