Opiniao

Uma história palaeolítica enevoada de Portugal


por Roberto Knight Cavaleiro

 

Capítulo 1 . Os anos até 5.000 AC

Os migrantes da espécie homo heidelbergensis entraram pela primeira vez na Europa Ocidental há cerca de 400.000 anos e alguns sabiamente escolheram mudar-se para uma terra com abundância agora conhecida como a região de Tomar, no centro de Portugal. Lá eles encontraram uma propriedade vazia na forma do complexo de cavernas da Aroeira através do qual corria o rio Almonda para fornecer água potável e saneamento, enquanto a vizinhança estava bem arborizada com combustível e alimentos abundantes. Quando este labirinto de passagens e cavernas foi escavado em 2002, muitas evidências foram encontradas da antiga ocupação na forma de ferramentas de pedra, detritos e ossos de animais partidos, mas só em 2017 um crânio completo foi descoberto permitindo uma composição precisa das características faciais como sobrancelha baixa, queixo proeminente e olhos profundos

Não se sabe como estes hominídeos sobreviveram e evoluíram ao longo de tantos anos, mas o certo é que os neandertais estavam presentes noutro labirinto próximo quando os primeiros humanos modernos migraram de África há cerca de 40.000 anos e decidiram que esta caverna, conhecida como Lapa do Picareiro, seria uma nova casa ideal. A partir de evidências descobertas durante as escavações arqueológicas de 1994 a 2018, supõe-se que os neandertais e o Homo sapiens, primeiro entraram em conflito e depois viveram de maneira razoavelmente harmoniosa por 3.000 anos, chegando ao ponto da coabitação. Mas o que parece mais provável é que a ocupação flutuou entre os dois grupos até que finalmente o homo sapiens dominou e os neandertais mudaram-se para outro lugar para se extinguirem posteriormente. Antes que isso acontecesse, os cruzamentos ocorriam para que as características genéticas fossem transportadas para os humanos de hoje. Provas disso foram encontradas em 1998 por arqueólogos que trabalhavam no desfiladeiro de calcário Lapido situado a cerca de 15 km. de Leiria onde se descobriu que um abrigo rochoso denominado Lagar Velho tinha sido utilizado como câmara mortuária. Entre os restos mortais foi encontrado o esqueleto quase intacto de uma criança Cro-Magnon de cinco anos, cujo crânio foi encontrado e exibia características de ambas as raças e pode ser datado de acerca de 24.000 anos atrás.

Parece ser uma suposição aceite que o homo sapiens expandiu-se consideravelmente em número após a primeira chegada e formou vários assentamentos tribais ao longo da costa atlântica e seguindo o curso dos rios que surgiam no nordeste da Península Ibérica. Ao mesmo tempo, bolsas de Neandertais provavelmente sobreviveram nas localidades menos populosas.

O espantoso conjunto exterior de cinco mil desenhos de arte rupestre paleolítica no vale do rio Côa, no Nordeste de Portugal, testemunha a vida económica, social e espiritual das tribos que ocuparam este território durante mais de três milénios. A sua criação provavelmente começou por volta de 20.000 AC e os temas são predominantemente animalescos, apresentando cavalos, veados, bisontes e algumas criaturas como o rinoceronte-lanudo agora extinto. Esta primeira manifestação da criação simbólica humana reflete uma cultura que se distanciava de uma existência nómade de caçadores / coletores em direção ao estabelecimento de comunidades com moradas permanentes onde foram feitas as primeiras tentativas de domesticação de animais e da agricultura.

Se o complexo do Côa merece o prémio da UNESCO como Património Mundial, também devem ser incluídos os exemplos surpreendentes de construção de megálitos, na forma de dolmens e menires, que se distribuem de norte a sul ao longo da costa atlântica, mas com exemplos especialmente belos presente no Centro do Alentejo e no Barlavento Algarvio. Os dados atuais indicam que as pedras monolíticas (menires) estão entre as mais antigas da história paleolítica da Europa Ocidental, mas as tumbas com câmaras e outras estruturas cobertas (dolmen) parecem ser de construção mais recente. Grande parte dessa obra monumental está em locais isolados da vida urbana, de modo que a engenharia obviamente inteligente que possibilitou a sua construção pode ser plenamente observada; mas, infelizmente, alguns foram destruídos para uso como pedra e na disseminação de grafiti. Embora os restos usuais de ossos, cerâmicas partidas e ferramentas de sílex / pontas de flechas possam ser encontrados nas proximidades, há muito poucos detalhes antropomórficos para indicar os atributos físicos e a estrutura social das várias tribos.

É por isso que as recentes descobertas no sítio dos Perdigões no Alentejo são tão interessantes. Aqui, um levantamento aéreo revelou quinze fossos circulares, cuja escavação produziu um numero elevado de cerâmica paridas, lascas de pedra e, surpreendentemente, esculturas em marfim que incluíam vinte representações de humanos ou das suas divindades. O detalhe é surpreendente: corpos esguios cuidadosamente perfilados, testas altas, narizes retos, tatuagens faciais e grandes órbitas arredondadas que provavelmente continham pedras semipreciosas. A comparação com representações de ficção científica de alienígenas não pode ser evitada! Mas o mais notável é que o marfim foi atribuído ao elefante africano o que indica que os animais ou apenas as suas presas foram importadas por meio de rotas comerciais estabelecidas, confirmando assim o estabelecimento do comércio.

Mais luz sobre a natureza dos nossos antepassados neolíticos é lançada pela atual exposição “Ìdolos - Olhares Milenares” no Museu Nacional de Arqueologia de Lisboa onde fragmentos de pedra e ferramentas de ferro encontrados em túmulos ibéricos foram emprestadas por quinze entidades espanholas.

Um estudo do desenvolvimento social no sudoeste da Península Ibérica durante os anos 5000 aC a 0 seguirá no Capítulo 2.


Almendres


Menir de prazo


Foz Côa


Foz Côa


Crânio Aroeira


Biface