Sociedade

R(t), incidência e internamentos por covid-19 aumentam em Portugal

Lisboa e Vale do Tejo registou, à semelhança dos últimos dias, o maior número de novos casos. A única vítima mortal foi registada no Norte. Internamentos aumentam pelo terceiro dia consecutivo e o país aproxima-se da zona amarela de risco, devido ao aumento do rácio de transmissibilidade e da taxa de incidência.


Portugal registou, nas últimas 24 horas, 241 casos do novo coronavírus e um óbito, de acordo com o mais recente boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado esta segunda-feira. O rácio de transmissibilidade (RT) e a incidência voltaram a subir e o número de internados também. 

Lisboa e Vale do Tejo registou, à semelhança dos últimos dias, o maior número de novos casos: 97. O Norte registou 60 infeções nas últimas 24 horas, bem como a única vítima mortal.

Segue-se o Centro com 20 novos casos, o Algarve com 13 e o Alentejo com oito. Nos arquipélagos da Madeira e dos Açores há 17 e 26 novas infeções, respetivamente.

Segundo o boletim, Portugal tem uma incidência de 55,6 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias, um aumento face aos 52,6 registados na última atualização, e Portugal continental de 52,5, um aumento de 3 valores. O RT situa-se nos 1,06 em todo o país. Na última análise da DGS, partilhada na sexta-feira, este valor era de 1,03, quer em Portugal, quer quando considerado só o continente. O país aproxima-se assim da zona amarela de risco estipulada pelo Governo.

O número de internamentos aumentou pelo terceiro dia consecutivo. Há agora 239 pessoas com sintomas da covid-19 internadas nos hospitais portugueses, mais 19 do que ontem. Em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) registou-se uma diminuição e há 57 doentes graves internados, menos um do que na véspera.

Portugal registou, desde o início da pandemia, 845.465 casos de SARS-CoV-2, 22.468 dos quais permanecem ativos – menos 47 do que ontem, e 17.018 não resistiram. Nas últimas 24 horas, 287 pessoas recuperaram da doença, elevando o total para 805.979. Atualmente, as autoridades de saúde têm 19.588 contactos em vigilância.

Veja aqui o boletim na íntegra.