Economia

SURE. Portugal recebe cheque de 2,41 mil milhões de euros

A Comissão Europeia desembolsou a sétima tranche do apoio financeiro, sob a forma de empréstimos. 


A Comissão Europeia disponibilizou uma verba de 2410 milhões de euros para Portugal, no âmbito do instrumento financeiro SURE, criado por Bruxelas de solidariedade no apoio ao emprego durante a pandemia de covid-19. Ao todo, Bruxelas desbloqueou uma verba de 14 137 milhões de euros para 12 estados-membros.

Portugal recebe assim uma nova tranche depois de ter recebido, em dezembro um primeiro pagamento de três mil milhões de euros, de um apoio que deverá ascender a um total de 5900 milhões de euros.

Estes empréstimos irão ajudar os Estados-membros a fazer face ao aumento súbito das suas despesas públicas destinadas a preservar o emprego na sequência da pandemia, nomeadamente ajudando a cobrir os custos diretamente relacionados com o financiamento dos regimes nacionais de tempo de trabalho reduzido e de outras medidas semelhantes adotadas para fazer face à pandemia, incluindo para os trabalhadores por conta própria.

No quadro da operação realizada, além de Portugal, a Bélgica recebeu dois milhões de euros, a Bulgária 511 milhões de euros, Chipre 124 milhões de euros, a Grécia 2540 milhões de euros, a Espanha 3370 milhões de euros, a Itália 751 milhões de euros, a Lituânia 355 milhões de euros, a Letónia 113 milhões de euros, Malta 177 milhões de euros, a Polónia 1560 milhões de euros e a Estónia 230 milhões de euros.

Aliás, a Bulgária e a Estónia recebem pela primeira vez financiamento no âmbito deste instrumento e outros dez países da UE já haviam beneficiado de empréstimos ao abrigo do SURE.

Recorde-se que, ao todo, Portugal irá receber 5,9 mil milhões de euros, o que corresponde a quase 3% do Produto Interno Bruto (PIB), sob a forma de empréstimos da Comissão Europeia a juros muito baixos, o que gera uma poupança estimada em 242 milhões de euros, comparado com o que Portugal pagaria se fosse financiar-se aos mercados financeiros. A maturidade média da dívida que o país fica perante a União Europeia é de 14,6 anos.