Sociedade

Lisboa entra em alerta e Arganil e Golegã recuam no desconfinamento

Governo prolongou a situação de calamidade em todo o país até 13 de junho.


A ministra de Estado e da Presidência anunciou, esta quinta-feira, que os concelhos de Arganil e Golegã recuam no desconfinamento, Montalegre e Odemira não avançam, ao contrário de Lamego.

O anúncio foi feito por Mariana Vieira da Silva, depois da reunião de Conselho de Ministros para avaliar a situação epidemiológica do país, em particular a da região de Lisboa e a Vale no Tejo.

Para a lista de concelhos em alerta entram mais quatro, incluindo Lisboa, elevando para sete o total: Chamusca, Lisboa, Salvaterra de Magos, Tavira, Vale de Cambra, Vila do Bispo e Vila Nova de Paiva.

Consulte todos os avanços e recuos no desconfinamento dos concelhos do país

“A região de Lisboa e Vale do Tejo tem e continua com níveis de incidência crescentes que são motivo de preocupação”, sublinhou a ministra, acrescentando que “o Governo aprovou um conjunto de medidas que passa pela aceleração de campanhas de testes que já estavam planeados e pela realização de campanhas de testes nos locais onde foram identificados mais casos para acelerar os isolamentos e conseguir controlar a pandemia”.

A governante revelou também que o concelho de Arganil recuou e está agora na fase de desconfinamento de 5 de abril, enquanto o concelho da Golegã também regrediu, mas para a fase de 19 de abril, onde também estão os municípios de Montalegre e Odemira. Lamego deixou esta fase e avançou para a situação de desconfinamento de 1 de maio.

O Governo informou ainda que a situação de calamidade vai manter-se até 13 de junho.

Veja aqui na íntegra o Comunicado do Conselho de Ministros.