Retratos Contados

Coração


Por Nélson Mateus e Alice Vieira

Querida avó,

Maio já vai a meio e ainda não falámos de este mês ser conhecido como o “Mês do Coração”. Ao longo destes dias costumam realizar-se um conjunto de atividades na tentativa de alertar a população para a problemática das doenças cardiovasculares, sendo que todos os anos é dedicado a um (ou mais de um) fator de risco em particular.

É impossível falar de coração sem falarmos do Prof. Fernando Pádua, conhecido sobretudo por ser o Dr. Coração, já para não falar dos seus laços, a sua imagem de marca.

Sabes que já estive com o Prof. Fernando Pádua várias vezes. É sempre tão enriquecedor o que tem para partilhar. Se hoje se vivem muitos mais anos, é graças a pessoas como ele, que insistem na prevenção, e não na cura depois de surgirem os problemas.

Lembro-me de ele partilhar comigo os cuidados que devemos ter com a alimentação. 

Que fazer Exercício Físico é fundamental para sermos saudáveis. Que os adultos devem abandonar o terrível hábito do tabaco. Que devemos reduzir o sal o mais possível. 

Que todos devemos ir ao médico pelo menos uma vez por ano, para nos certificarmos que está tudo bem.

Que devemos ter menos stress e tantas outras dicas. Pratico todas, não sei se é por isso que me mantenho “jovem”.

Por falar em coração, finalmente comecei a ler o livro “Coração” de Edmundo D’ Amicis, que tanto me recomendaste. O diário onde um jovem relata a sua vida na escola e na família, com os colegas, os amigos e os professores.

Incrível como, passados tantos anos, este livro continua a ser tão lido no mundo inteiro. Obrigado pela recomendação. 

Ainda sobre as dicas do Prof. Pádua, existe uma em particular que achei imensa graça: «Os elevadores não servem para nada. Só se for para descer. Para subir devemos sempre ir pelas escadas!».

Em breve lá irás tu para a pátria do teu Coração. Onde fazes muito mais exercício físico e praticas uma vida mais saudável.

Cuida do teu coração.

Bjs

Querido neto,

É terrível falar de coração na altura em que me cai no colo a notícia da morte do Coronel Dinis de Almeida, que entrou nos nossos corações desde o dia 11 de Março de 1975, em que acabou com um possível golpe de Estado. Ele comandava o R.A.L.I.S. que, de repente, foi bombardeado e invadido pelas forças do Spínola — que lhe entregaram um documento para ele ler e se render. 

Estou a vê-lo na televisão, a ler o documento sem as mãos lhe tremerem sequer, e a falar com os revoltosos, como se de um banal acontecimento se tratasse. Os revoltosos eram uns broncos e nem sabiam explicar muito bem o que estavam ali a fazer. «Estamos aqui em nome de um grupo de pessoas que não estão satisfeitos com o rumo que as coisas estão a tomar!» — e não passavam disto. Ao fim de algum tempo é claro que se retiraram e o golpe ficou por ali. Graças ao Dinis de Almeida.

Mas não falemos mais disto.

Fiquei muito contente por saber que já tinhas lido o “Coração”. É espantoso como um livro escrito em finais do século 19 consegue ainda cativar as crianças de hoje.

Lembro-me de o ter lido aos meus filhos, eram eles ainda pequeninos, e estávamos a passar férias na Costa Nova. À noite, antes de adormecerem, lá lhes lia um capítulo. Eles choravam tanto que eu até pensei em não ler mais. Mas eles é que insistiam! E fizeram-me ler o livro até ao fim! E nunca tiveram pesadelos…

Quanto ao Prof. Fernando de Pádua, já o entrevistei algumas vezes — mas o cardiologista da minha família era o Dr. Alfredo Franco. E se me lembro dele é porque um dia a minha mãe foi consultá-lo e levou o meu filho, muito pequenino.

Um primo nosso tinha-lhe dado um carneiro, que ele amava de paixão (e que morreu de velhice, claro…) a quem ele, sabe-se lá porquê, dera o nome de Alfredo. Então quando ouviu a avó cumprimentar o Dr. Alfredo Franco disse logo: «olha, tens nome de carneiro!».

E é isto. Vou ver o que a RTP vai dar sobre o Dinis de Almeida.

Bjs