Internacional

Canadá. Descobertos restos mortais de 215 crianças indígenas em escola residencial

O primeiro-ministro canadiano lamentou o episódio que faz parte de um “capítulo sombrio e vergonhoso” da história do Canadá.


Foi descoberta, no Canadá, uma vala comum com os restos de 215 crianças, enterradas sob uma antiga escola residencial para crianças indígenas, a Kamloops Indian Residential School, com vestígios de maus-tratos e, segundo as autoridades, a contagem de cadáveres pode ser ainda maior. Rosanne Casimir líder da Primeira Nação Tk’emlups te Secwépemc, garantiu que, algumas zonas da escola ainda não foram revistas, de acordo com um comunicado divulgado na sexta-feira. Os restos mortais das crianças foram detetados com a ajuda de um radar de penetração no solo. “Neste momento, temos mais perguntas do que respostas”, disse Casimir, citada pela Reuters.

“Pelo que sabemos, essas crianças desaparecidas morreram sem documentação. Alguns tinham apenas três anos de idade.”

Recorde-se que a Kamloops Indian Residential School, na província Colúmbia Britânica, fechou em 1978 e fazia parte do sistema de escolas residenciais do Canadá, que separava as crianças indígenas das suas famílias com o objetivo de as assimilar à cultura europeia.

Cerca de 150 mil crianças indígenas foram removidas das suas famílias entre 1883 e 1996 e enviadas para estas escolas residenciais.

Em muitos destes casos, as crianças eram submetidas a abusos e negligência, e era proibida a utilização de linguagens indígenas assim como as práticas das suas tradições.

Esta prática foi considerada um “genocídio cultural”, de acordo com as conclusões de uma investigação sobre sistema extinto em 2015, que documentou ainda abusos físicos, sexuais, desnutrição e outras atrocidades sofridas pelas crianças que frequentavam estas escolas, normalmente administradas por igrejas cristãs.

“Isto faz ressuscitar a questão das escolas residenciais e as feridas desse legado de genocídio contra os povos indígenas”, disse Terry Teegee, chefe regional da Assembleia das Primeiras Nações da Colômbia Britânica.

Trudeau lamenta episódio e silêncio da igreja O primeiro-ministro canadiano já reagiu à notícia lamentando o episódio.

“[A notícia] parte-me o coração — é uma dolorosa lembrança daquele capítulo sombrio e vergonhoso da história de nosso país”, escreveu Trudeau no Twitter.

O governo do Canadá, onde foram organizadas diversas vigílias e cerimónias para honras as vítimas das escolas residenciais, pediu formalmente desculpa por estas práticas, em 2008, e, ao longo dos anos, pagou milhares de milhões de compensações aos sobreviventes das escolas residenciais.

Esta descoberta levantou novas críticas à igreja católica, que ainda não reagiu a esta notícia, mesmo depois de Trudeau ter feito um pedido oficial ao Papa Francisco para este fazer um pedido de desculpas, ação foi rejeitada.