Vida

Donatella Versace lembra início da carreira do irmão: "Disseram que ele fazia roupas para prostitutas"

Gianni Versace, fundador da famosa marca de luxo que tem o seu apelido, foi assasinado nos Estados Unidos em 1997, quando tinha 50 anos.


Donatella Versace, que faz parte de um dos impérios familiares mais conhecidos do mundo da moda, falou sobre as dificuldades que sentiu no início da sua carreira, numa entrevista com o rapper Fedez e com o youtuber Luis Sal, e recordou o irmão Gianni, fundador da Versace, que foi assassinado em 1997.

Segundo a estilista, foi difícil a marca de luxo afirmar-se em Milão, no norte de Itália, nos anos 70, uma vez que a família era originária do sul.  “Naqueles anos, os do norte eram considerados mais cultos e sofisticados. Mas nós do sul tivemos coragem de quebrar barreiras. O Gianni amava as mulheres loucamente e não queria vê-las grisalhas. Queria que elas expressassem a sua personalidade”, contou, revelando que Gianni Versace foi acusado de fazer roupas para prostitutas.

“Os primeiros anos da Versace em Milão foram muito difíceis. Havia as damas perfeitas e Gianni foi criticado. Disseram que ele fazia roupas para prostitutas. Eu disse para ele não se preocupar, porque a verdade é que ele fazia roupas para mulheres que não tinham medo da própria feminilidade”, recordou.