Politica

Santos Silva sobre retirada de Portugal da lista verde do reino Unido: "Uma decisão cuja lógica não se alcança"

Ministro britânico justificou decisão com o aparecimento de novas variantes e o aumento de casos de covid-19 em Portugal.


O Governo português reagiu, esta quinta-feira, à resolução do Governo britânico de excluir Portugal da lista verde de países seguros, sublinhando que se trata de uma decisão "cuja lógica não se alcança".

"Tomamos nota da decisão britânica de retirar Portugal da 'lista verde' de viagens, uma decisão cuja lógica não se alcança", reagiu o Ministério dos Negócios Estrangeiros na rede social Twitter, poucos momentos depois do anúncio britânico.

"Portugal continua a realizar o seu plano de desconfinamento, prudente e gradual, com regras claras para a segurança dos que aqui residem ou nos visitam", lê-se ainda na mesma publicação.

Recorde-se que o ministro dos Transportes britânico, Grant Shapps, confirmou, esta quinta-feira à tarde, que Portugal vai sair da "lista verde" de viagens internacionais do Governo britânico, passando a integrar a lista amarela, que exige um período de quarentena e dois testes PCR (testes moleculares), no segundo e oitavo dia, a todos os que regressem a solo inglês.

O governante inglês disse numa entrevista transmitida na estação de televisão Sky News que foi uma "decisão difícil de tomar" e invocou duas principais razões para a justificar.

"Uma é que a taxa de positividade quase duplicou desde a última revisão em Portugal e a outra é que há uma espécie de mutação do Nepal da chamada variante indiana que foi detetada e simplesmente não sabemos o potencial que pode ter para resistir à vacina", explicou.

A medida deverá em vigor a partir das 4h de terça-feira, quando Portugal passa para a ‘lista amarela’.