Sociedade

Quatro concelhos não avançam no desconfinamento. Nova estratégia de testagem em empresas e eventos

Governo anunciou novas medidas após o Conselho de Ministros. Apenas quatro concelhos não avançam no desconfinamento e permanecem com as regras de 1 de maio. No entanto, há dez concelhos em alerta.


A ministra do Estado e da Presidência Mariana Vieira da Silva, anunciou, esta quarta-feira, que Braga, Odemira, Lisboa e Vale de Cambra não vão avançar na próxima fase do desconfinamento, prevista para 14 de junho. Contudo, nenhum concelho vai recuar nas medidas em vigor. 

A governante destacou que o país se vai manter em estado de calamidade até 27 de junho e que a maior parte do país está com a situação epidemiológica controlada. Contudo, há dez concelhos que avançam no desconfinamento mas que vão ficar em alerta: Albufeira, Alcanena, Arruda dos Vinhos, Cascais, Loulé, Paredes de Coura, Santarém, Sertã, Sesimbra e Sintra.

Desta forma, a partir de 14 de junho, todos os concelhos do país, excepto os quatro já referidos, vão passar a ter novas regras: o comércio vai deixar de ter restrições de horários e os restaurantes vão passar a poder fechar às 01h00, o teletrabalho vai deixar de ser obrigatório e os espetáculos culturais podem realizar-se até à meia noite. Os transportes públicos passam a funcionar com lotação de dois terços ou com a totalidade da lotação nos transportes que funcionem exclusivamente com lugares sentados e as salas de espetáculo podem ter ocupada 50% da lotação. Os escalões de formação e modalidades amadoras podem ter público, mas com lugares marcados e regras de acesso definidas pela DGS e os recintos desportivos podem funcionar com 33% da lotação. 

Mariana Vieira da Silva anunciou ainda que a estratégia de testagem vai mudar em duas dimensões - vai haver testagem nas empresas com 150 trabalhadores no mesmo local de trabalho e vai haver obrigatoriedade de testes em eventos desportivos, culturais e até em casamentos, mediante o número de pessoas (a definir pela DGS). A testagem é a cargo das empresas e a orientação da DGS vai definir que eventos terão a obrigatoriedade de testes, a cargo dos organizadores.

A ministra esclareceu ainda que vai manter-se até ao fim do mês a lotação já definida para os restaurantes - seis no interior dos estabelecimentos e dez no exterior - e que esta situação poderá vir a ser revista. “Daqui por 15 dias será avaliada a possibilidade de dar esse passo”, disse.