Sociedade

Embaixada da Rússia diz que "senhora ativista" pode voltar "tranquilamente para casa"

Embaixada russa reage a envio de dados pessoais de três ativistas pela Câmara de Lisboa. 


A embaixada da Rússia em Portugal garantiu, esta quinta-feira, que a ativista que organizou a manifestação contra a prisão de Alexei Navalny, opositor do regime de Putin, em Lisboa, “pode voltar tranquilamente para casa”. A reação surge depois de ser revelado que a Câmara de Lisboa enviou a Moscovo os dados de três ativistas russos.

Numa nota divulgada nas redes sociais, a embaixada garante que “não interessam nem à Embaixada em Lisboa, nem a Moscovo, os tais indivíduos com imaginação malsã”.

“Temos outras prioridades que constituem o trabalho construtivo em prol do desenvolvimento da cooperação russo-portuguesa. Assim, a senhora 'ativista' pode voltar tranquilamente para casa”, acrescenta.

Na mesma nota, a embaixada destaca, contudo, “a abordagem muito rigorosa das autoridades portuguesas ao processamento dos dados pessoais” e acusa os referidos ativistas  de tentarem “atrair atenção mediática a si próprios através da politização generalizada e provocações deploráveis”.