Internacional

"Nascemos juntos, morreremos juntos". Gémeos de 94 anos reúnem-se após um ano separados devido à covid-19

Tanto Patrick como Minnie casaram-se, mas nunca tiveram filhos. Os irmão sempre viveram perto um do outro e trabalharam na mesma fábrica durante 40 anos. Estiveram separados apenas duas vezes na vida: durante a II Guerra Mundial e, agora, devido à pandemia de covid-19.


Minnie Walsh e Patrick Speed, um casal de gémeos de 94 anos, voltaram a reunir-se após terem estado separados devido aos riscos da pandemia de covid-19. O momento foi captado em vídeo e está a derreter o Reino Unido.

Antes da pandemia, os irmãos viviam cada um na sua casa, mas nunca tinham estado muito tempo sem se ver, exceto quando Patrick foi para a Índia durante a II Guerra Mundial. Quando a covid-19 chegou, “em força”, ao Reino Unido, decidiram cumprir o isolamento social separados.

No início deste ano, Minnie mudou-se para um lar em Hull, na Inglaterra, e, pouco tempo depois, Patrick foi transferido para o mesmo lar, mas para uma ala diferente. Apesar de estarem perto um do outro, não se puderam ver até à passada sexta-feira devido a risco de infeção.

“Nunca pensámos que algo assim pudesse acontecer, mas temos de o aceitar”, desabafou Patrick, referindo-se à pandemia. “Foi muito bom ver a Minnie, fiquei muito feliz”.

“Vamos passar todos os momentos juntos, vou certificar-me de que ela tem tudo o que precisa. Nascemos juntos, estamos novamente juntos e morremos juntos. Não podemos estar um sem o outro. Estivemos sempre juntos”, acrescentou, citado pelo jornal britânico Metro.

Tanto Patrick como Minnie casaram-se, mas nunca tiveram filhos. Sempre viveram perto um do outro e trabalharam na mesma fábrica durante 40 anos.

“Eu costumava lutar por ele, porque ele era muito magro. Sou uns minutos mais velha, então tenho de tomar conta dele”, contou Minnie. “Sempre estivemos juntos. Costumávamos ouvir as bombas a rebentar e a nossa mãe colocou-nos no abrigo de Anderson. Estivemos sempre juntos”.

“Eu estava muito chateada porque já tinha passado muito [sem ver o irmão], mas fiquei exaltada e fez-me muito feliz por dentro poder vê-lo. Foi adorável”, acrescentou.