Opinião

Nem os idosos têm descanso!

Os idosos, tal como as crianças, são os mais suscetíveis, os mais fragilizados e os mais fáceis de manter calados! Temos de ser nós a agir e a não perpetuar este silêncio abafado por agressões e ameaças!


por Francisca de Magalhães Barros

No passado dia 15, assinalou-se O Dia Mundial da Consciencialização da Violência contra a Pessoa Idosa. Apesar deste dia ser para muitos um marco, para mim, são mais marcas da negligência a que muitos idosos estão sujeitos dentro do seu próprio seio familiar, dentro das suas próprias casas, e como nós sabemos que são as casas que os fazem felizes e que tanto lhes custa abandonar. É triste saber as proporções de tal violência, manipulação e fragilidade. Nesta pandemia, a violência contra os idosos, foi a que mais aumentou! «O relatório anual da APAV referente a 2020, divulgado esta segunda-feira, dá conta de 13.093 vítimas diretas, tendo estas sido alvo de mais de 19.000 crimes e outras formas de violência ao longo do último ano.

Dessas vítimas, 12,4% são pessoas idosas, a maior percentagem de sempre desde a criação da associação em 1990.

Apesar de se registarem mais 12,1% de vítimas no geral do que em 2019, o aumento chega a 21,8% nas pessoas com mais de 65 anos, faixa etária em que se contabiliza 1624 vítimas». Estes números são assustadores e mais uma vez revelam os padrões comportamentais da nossa sociedade, uma sociedade que se quer ‘descartar’ da pessoa idosa, mesmo esta sendo sua familiar direta!

Os idosos tal como as crianças, são os mais suscetíveis, os mais fragilizados e os mais fáceis de manter calados! Temos de ser nós, enquanto sociedade a reportar as situações! Temos de ser nós a agir e a não perpetuar este silêncio abafado por agressões e ameaças! «As estatísticas referentes a 2020 indicam ainda que 72% das vítimas idosas são mulheres com uma idade média de 76 anos, a maioria dos autores dos crimes são os filhos ou os cônjuges, a que correspondem a 33,8% e 22,7%, respetivamente. Do sexo masculino 15,3% das vítimas são pessoas idosas.

Já os autores dos crimes com mais de 65 anos equivalem apenas a 4,8% do total. Dos 13.133 autores denunciados, 65% eram do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 35 e os 54 anos. Já os autores dos crimes com mais de 65 anos equivalem apenas a 4,8% do total. Dos 13.133 autores denunciados, 65% eram do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 35 e os 54 anos».

Estes dados apresentam uma cobertura de 94% do território nacional, uma vez que «dos 308 municípios existentes em Portugal, a APAV chegou a 290 através do apoio prestado às vítimas diretas», afirma-se no relatório.

Todo este artigo é assustadoramente factual. Parece um filme de terror, infelizmente é a realidade de muitos idosos em Portugal!