Internacional

Autoridades alemãs continuam a investigar motivo do ataque em Wurtzburgo. Tudo o que se sabe até ao momento

Suspeito já era conhecido da polícia. 


As autoridades alemãs continuam a investigar as motivações do suspeito que, esta sexta-feira, matou três pessoas e deixou cinco gravemente feridas, num ataque com uma faca em Wurtzburgo.

Recorde-se que o homem, somali, de 24 anos, que vive naquela cidade alemã desde 2015, foi alvejado numa perna e detido pela polícia após o ataque, não correndo perigo de vida. Recentemente o suspeito vivia num abrigo para os sem-abrigo.

O homem já era conhecido da polícia e tinha sido, poucos dias antes, submetido a tratamento psiquiátrico.

Em declarações à agência de notícias dpa, o ministro do Interior da Baviera, Joachim Hermann, adiantou que não podia ser descartado um motivo extremista islâmico porque uma testemunha tinha relatado ter ouvido o suspeito gritar "Allahu akbar" (“Deus é grande”, em árabe).

Nas redes sociais, algumas imagens divulgadas mostram que o homem começou a atacar transeuntes e que algumas pessoas tentaram fazer frente ao suspeito. Tudo indica que o suspeito não conhecia as vítimas.