Politica

"Berardo gabou-se de ser intocável e de ter encontrado um truque", diz Mortágua que agora só deseja justiça

Deputada do Bloco já reagiu à notícia da detenção de Berardo, que após uma pergunta sua, na Comissão de inquérito, garantiu não ter dívidas.


A dirigente do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua afirmou, esta terça-feira, que espera que seja feita justiça em relação a devedores aos bancos, como Joe Berardo.

"José Berardo foi à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos (CGD) gabar-se de ser intocável e gabar-se de ter conseguido encontrar um truque - que foi descoberto e exposto ao país nessa comissão de inquérito -, uma fraude para esconder uma coleção de arte do Novo Banco e da CGD, de forma a que essa dívida não pudesse ser cobrada", afirmou a deputada, questionada pelos jornalistas sobre a detenção do empresário, na sede do Bloco de Esquerda, onde apresentava um projeto de lei sobre moratórias bancárias.

"Depois desse truque, houve muitos outros devedores que foram às comissões de inquérito, ou melhor, foram expostos nas comissões de inquérito truques muito parecidos para não pagar o que devem aos bancos" e que hoje sabe-se "o nome de alguns desses devedores", continuou.

"E tudo o que eu espero e tudo o que eu desejo é que seja feita justiça relativamente a esse tipo de ações, muitas delas de caráter fraudulento, que foram levadas a cabo para estes devedores não pagarem as suas dívidas aos bancos, com prejuízos para todos os contribuintes e para todos os portugueses", acrescentou.

Mortágua referiu ainda que só podia ver “com bons olhos” tudo “aquilo que tenha a ver e que seja o funcionamento da justiça”, sublinhando que é preciso deixar “a justiça trabalhar da forma que é entender que é relevante e que é importante".