Internacional

Queda de avião militar provoca 45 mortos nas Filipinas

As autoridades já resgataram, por enquanto, 50 pessoas. 


Foram confirmadas 49 vítimas mortais na sequência do avião militar que se despenhou na ilha de Jolo, este domingo, nas Filipinas. Pelo menos, 50 pessoas foram resgatadas, indicam as autoridades num novo balanço da ocorrência.

A bordo do avião da força aérea filipina C-130, que tentava aterrar, estavam 92 pessoas, entre as quais três pilotos e cinco tripulantes, enquanto os restantes eram militares, explicam as autoridades militares, citadas pela agência AP.

Os 50 resgatados dos destroços da aeronave, que estava em chamas, foram levados para o hospital.

"É muito lamentável. O avião perdeu a pista e estava a tentar recuperar energia, mas falhou e despenhou-se", assinala o general Cirilito Sobejana aos jornalistas.

Segundo as autoridades, os pilotos que sobreviveram ficaram gravemente feridos e pelo menos quatro moradores naquela zona também sofreram ferimentos.

O secretário da Defesa, Delfin Lorenzana, afirmou que estão a ser feitos esforços para resgatar mais vítimas.

"Segundo testemunhas oculares, vários soldados foram vistos a saltar do avião antes que ele atingisse o solo, poupando-os da explosão causada pelo acidente", explica um comunicado militar.

A partir das imagens divulgadas pelos militares, é possível ver todas as partes da aeronave, menos a traseira, a arder e espalhadas em pedaços perto de coqueiros, indica a AP. Os soldados e equipas de socorristas com macas foram vistos a correr para o local do acidente, confundido pelo fumo.

Maioria dos passageiros tinha feito recentemente treino militar básico. Foram enviados para a ilha de Jolo na sequência de uma operação conjunta da luta contra o terrorismo nesta região predominantemente muçulmana.

De notar que o exército tem marcado muita a sua presença na zona sul das Filipinas, devido à presença da organização islamita Abou Sayyaf, que é considerada uma organização terrorista pelos norte-americanos.