Economia

Créditos à habitação aumentaram e tiveram juros mais altos

Dados do Banco de Portugal relativos a maio.


Os bancos concederam 1.314 milhões de euros, no passado mês de maio, em créditos habitação, mais do que em abril (1.220 milhões), e com a taxa de juro média a contrariar a tendência de descida verificada nos últimos meses, segundo dados do Banco de Portugal (BdP), divulgados esta segunda-feira.

"Em maio de 2021, os volumes de novas operações de empréstimos para habitação, consumo e outros fins totalizaram 1.314 milhões, 425 milhões e 178 milhões de euros, respetivamente", lê-se na nota de informação estatística do BdP.

Comparativamente, em abril de 2021, os volumes de novas operações de empréstimos para habitação, consumo e outros fins tinham totalizado 1.220 milhões, 387 milhões e 174 milhões de euros, respetivamente.

Nas novas operações de empréstimos a particulares para habitação, a taxa de juro média em maio inverteu a tendência de descida, aumentando um ponto base, para 0,83%, quando no mês anterior tinha registado uma descida de dois pontos base, para 0,82%,

Em sentido inverso, no crédito ao consumo e para outros fins, as taxas de juro médias registaram uma descida para 6,38% e 3,90%, respetivamente. Em abril, estes valores fixavam-se nos 6,51% e 3,94%, respetivamente.

De acordo com a mesma nota, a taxa de juro média dos novos empréstimos concedidos a sociedades não financeiras diminuiu 16 pontos base face a abril, para 1,80%.

“Por segmento, a taxa de juro das operações abaixo de 1 milhão de euros desceu 11 pb, para 2,15%, e a taxa das operações acima de 1 milhão de euros diminuiu 21 pb, para 1,34%”, acrescenta o BdP.

Já a taxa de juro média dos novos depósitos, com prazo acordado até um ano, de empresas foi de 0,03%, menos um ponto base do que em abril. Nos novos depósitos de particulares, com prazo acordado até um ano, a taxa de juro média manteve-se em 0,05%.