Sociedade

Catalunha volta atrás no desconfinamento, Inglaterra avança

Reino Unido levanta restrições a 19 de julho, Catalunha faz marcha atrás e volta a fechar discotecas.


O levantamento das restrições no Reino Unido poderá significar 100 mil novos casos por dia já este mês. A estimativa foi feita pelo novo ministro da Saúde inglês, Sajid Javid, ao concretizar o anúncio de levantamento das restrições relacionadas com a pandemia no Reino Unido a partir de 19 de julho, assumindo que o país vai entrar em “território desconhecido”.

Será o primeiro na Europa a fazê-lo, acabando com as regras de auto-isolamento a partir de 16 de agosto para todos os adultos que já tenham recebido as duas doses da vacina e deixando de as aplicar nas escolas. A decisão final sobre se o plano de reabri toda a economia vai para a frente ou não será tomada a 12 de julho, numa altura em que se começam a colocar outras questões, como o que poderão significar 100 mil casos diários em termos de casos de long covid, quando os sintomas da infeção persistem vários meses.

Neil Ferguson, epidemiologista do Imperial College e antigo consultor do Downing Street, considerou as medidas justificadas ainda que ligeiramente otimistas. Admite que se possa chegar aos 200 mil casos por dia, considerando que significam agora um número de óbitos dez a oito vezes menor do que quando se estava nesse patamar há uns meses.

O que não significa que não seja de prever um aumento da mortalidade, alertou, estimando que no pior cenário o país poderá chegar aos 200 óbitos diários associados à covid-19. “No pico da segunda vaga, 50 mil casos significariam 500 mortes. Será muito menos hoje, cerca de 50 mortes. O desafio é que ainda podemos ter números muito grandes, que ainda posem causar pressão no sistema de saúde”, afirmou à BBC.

Enquanto Inglaterra altera o paradigma perante uma população já maioritariamente vacinada com uma dose da vacina – 86% da população adulta tem pelo menos uma dose da vacina, meta que em Portugal está apontada para outubro – na Alemanha Angela Merkel foi ontem pressionada a fazer o mesmo e em Espanha há uma primeira marcha atrás. 

Depois de as discotecas terem reaberto em algumas regiões espanholas no final de junho, a Catalunha volta agora atrás e volta a encerrar espaços interiores de diversão noturna a partir deste fim de semana, após um aumento de contágios entre jovens. O recuo vai manter-se durante 15 dias.