Internacional

Mulher morreu infetada com duas variantes da covid na Bélgica

Idosa não estava vacinada e terá sido contagiada por duas pessoas com variantes diferentes do vírus.


Investigadores de um hospital no norte da Bélgica detetaram o caso de uma mulher, com mais de 90 anos, que morreu em março passado, estando infetada com duas variantes do coronavírus.

A agência Efe adiantou que os investigadores do hospital Onze-Lieve-Vrouwziekenhuis (OLVZ) identificaram o caso de infeção com SARS-CoV-2 pelas variantes alfa (identificada no Reino Unido) e a beta (originária da África do Sul).

"Trata-se de um dos primeiros casos de coinfeção com duas variantes preocupantes de SARS-CoV-2", afirmou a bióloga molecular Anne Vankeerberghen, autora do estudo, em declarações ao diário De Morgen.

A idosa, que não tinha sido vacinada, deu entrada no centro hospitalar em março, depois de ter testado positivo ao coronavírus.

Apesar dos seus níveis de oxigénio serem bons num primeiro momento, o seu estado de saúde deteriorou-se com rapidez e acabou por morrer cinco dias depois de entrar no hospital.

Quando foram realizadas as análises para detetar a variante, concluiu-se que a mulher tinha sido contagiada com a alfa e beta.

"Ambas as variantes circulavam pela Bélgica nesse momento, pelo que é provável que a mulher se tenha coinfetado com diferentes vírus, de duas pessoas diferentes", explicou a bióloga, que revelou que a origem do contágio não foi descoberta.

A especialista admitiu ainda que é "difícil" saber se a infeção com as duas variantes influenciou a rápida deterioração do estado de saúde da idosa.