Opiniao

Uma história enevoada de Portugal Romano

Parte 3 - Pompeu Magno, Júlio César e o poderoso Imperador Augusto


por Roberto Knight Cavaleiro

O século I aC marcou os últimos dias da República Romana e a criação da província da Lusitânia como parte do Império nascente. Dois dos protagonistas mais importantes foram Júlio César e Pompeu Magno, cujas vidas foram curiosamente entrelaçadas. Ambos nasceram no ano 100 aC e ambos seriam traiçoeiramente assassinados nos anos 48 e 44, respetivamente. Cada um era altamente qualificado como estratega militar e político. Nos primeiros anos foram grandes amigos e a relação foi cimentada pelo casamento em 59 da filha de César, Júlia, com Pompeu e pela mútua dependência da ajuda e orientação financeira de Marco Lúcio Crasso, quinze anos mais velho e o cidadão mais rico de Roma, tendo feito fortuna como negociante de terras, escravos e metais preciosos. Em 60 aC, os três homens formaram um triunvirato com o objetivo de contornar o controlo do Senado e entregar os despojos da Gália a César, da Hispânia a Pompeu e a Síria a Crasso. Mas a rivalidade entre os três tornou-se cada vez mais acirrada e, após a morte de Crasso em 53 aC, começou a guerra civil.

Após o fim da guerra Sertoriana em 73 aC, os anais são estranhamente silenciosos sobre a frágil paz nas duas províncias da Hispânia, que continuou sob o governo militar de Pompeu Magno até o ano 67, quando o Senado, considerando a sua tarefa cumprida, dirigiu sua destreza militar para ser empregada noutro lugar na República. Ele foi substituído por Praetor Publius Pifo, um homem pacífico, que pretendia ganhar a confiança do povo, mas foi sucedido por Cneus Pifo, que alienou os nativos pela repressão, causando uma série de confrontos que poderiam ter sido mais graves se não fosse pelas divisões nas fileiras dos autóctones.

Então, em 61, veio Júlio César recém-saído de seus sucessos na Gália. Seu governo começou mal, com duras ações disciplinares contra várias tribos que tinham lutado contra os romanos em Castela e na Andaluzia. Em seguida, mostrou clemência às pessoas que ocupavam o distrito montanhoso de Hermínio (Serra da Estrela) e persuadiu-as a entregar as armas em troca de uma trégua que compensaria o saque pelas suas tropas dos seus templos dedicados ao deus local Endovélico. Mas César não foi tão atencioso ao ordenar a realocação de algumas tribos lusitanas de seus fortes nas colinas para o interior da Beira. Muitas mulheres, crianças e os seus animais morreram ao tentarem atravessar o rio Douro enquanto os seus homens, lutando na retaguarda de costas para a água, eram dizimados. Mas um corpo bastante grande escapou para o Oceano e lá conseguiu passar o estuário na vazante para a “ilha” de Peniche. Os seus perseguidores tentaram seguir usando jangadas improvisadas, mas o fluxo era muito forte e muitos soldados romanos morreram afogados. Apesar disso, Júlio César afirmou ser vitorioso e continuou a política de "dividir para governar" que o permitiu vencer as Guerras Gálicas.

De seu QG militar em Cáceres, César ordenou a criação de rotas diretas para Viseu e Santarém, onde grandes acampamentos fortificados foram construídos, cada um com uma vici (vila planeada) adjacente para acomodar os abastecedores nativos e fornecer conforto doméstico para as tropas. Além disso, os fortes de Brutus foram ampliados ou abandonados para formar uma rede estratégica para a administração do seu governo militar. Olissipo recebeu o estatuto de cidade romana e foi renomeada como Felicitas Julia. Posteriormente, Ebora (Évora) foi rebatizada de Liberalitas Julia e com Myrtilis (Mértola) foram atribuídos a cada um o título de cidade com direitos ao abrigo da lei latina. Para reconstruir esses locais em estilo romano, César encorajou a imigração de Itálica de artesãos qualificados e suas famílias que criaram a colónia chamada Scallibis (Santarém) Praesidium Julium.

No ano 56, César partiu para Roma para fazer a sua oferta para ser eleito um dos dois cônsules anuais e então esteve ausente da Península Ibérica por doze anos. Durante esse período, as duas províncias estavam sob a jurisdição de Pompeu, que governou inicialmente por meio do Procônsul Publius Cincinnatus assistido pelos seus comandantes militares como governadores. Eles lidaram com uma série de "comoções" locais, mas pouco fizeram para continuar com a reconstrução iniciada por César preferindo, em vez disso, preservar o status quo. Nisto, eles foram auxiliados pela desunião dos povos da Hispânia Ulterior, que discutiam sobre os limites das terras e o grau em que deveriam cooperar com seus governantes romanos. Os serviços de alguns guerreiros das tribos Lusitanas poderiam ser prestados ao maior lance, como aconteceu no ano 56, quando embaixadores da Gália recrutaram na Hispânia "um poderoso exército" de milícias, mas foram derrotados em França pelas legiões de Júlio César lideradas por Legado Publius Crasso. Essa insatisfação serviu apenas para aumentar a inimizade entre César e Pompeu, que pôs fim ao Triunvirato ao abrir uma guerra civil que foi contestada não apenas em Roma, mas em todas as províncias da República.

A partir de 47 seguiram-se uma série de confrontos na Hispânia Ulterior entre os exércitos de César liderados por Quinto Cássio Longino, um homem cruel, cujas ações levaram o povo a convidar os filhos de Pompeu, Cneus e Sexto, para assumir o comando das suas forças. A guerra civil seguiu com romanos e tribos aliadas lutando entre si. Mas depois da batalha de Munda em março de 45, quando as forças de Pompeu foram derrotadas, a autoridade de César não foi contestada até ao seu assassinato, um ano depois, quando o caos reinou na península ibérica.

Na época da morte de César, aos 18 anos, Gaius Octavius ​​estava a treinar como soldado na Ilíria quando foi informado de que o seu tio-avô havia legado a ele dois terços da sua propriedade e a lealdade das suas legiões veteranas que se uniram para protegê-lo da contínua vingança em Roma. Com extraordinária habilidade política, ele juntou-se a Marco António e Marco Lépido no 2º Triunvirato para derrotar os inimigos de César e então usou a sua riqueza herdada e força militar para eliminar os seus oponentes, culminando finalmente no exílio de Lépido e na derrota de António na batalha de Actrium em 31BC. Quatro anos depois, ele foi aclamado como Imperador Augusto e assim permaneceu até sua morte em 14AD. Um dos seus atos imediatos em 27 AC foi criar três novas províncias fora da antiga Hispania Ulterior, das quais a Lusitânia que se estendia entre os limites dos rios Guadiana e Douro por uma distância de quase 400 km a leste. Disto relataremos na: Parte 4 - O Estado da Lusitânia.

Ilustrações

O primeiro Triunvirato: César, Crassus and Pompeu

 

Augustus Caesar