Economia

Atividade turística mantém crescimento em maio mas longe dos números de 2019

Dados foram divulgados esta quinta-feira pelo INE.


O setor do alojamento turístico registou um milhão de hóspedes e 2,1 milhões de dormidas em maio deste ano, números que compara com os 126,6 mil hóspedes e 261,6 mil dormidas em maio de 2020. Os números foram divulgados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e mostram uma recuperação homóloga da atividade. No entanto, é preciso ter em conta que, em maio do ano passado, “a atividade turística esteve praticamente parada”.

Aliás, os níveis atingidos em maio deste ano foram inferiores aos observados em maio de 2019, tendo o número de hóspedes e de dormidas diminuído 62,3% e 68,6%, respetivamente.

Comparando ainda com maio de 2019, observaram-se decréscimos de 22,3% nas dormidas de residentes e 83,8% nas dormidas de não residentes, revela o gabinete de estatística.

Já os proveitos registados nos estabelecimentos de alojamento turístico atingiram 126,8 milhões de euros no total e 91,7 milhões de euros relativamente a aposento. Quando comparado com maio de 2019, antes da pandemia, os proveitos totais diminuíram 68,9% e os relativos a aposento decresceram 69,7%.

Diz ainda o INE que, no conjunto dos estabelecimentos de alojamento turístico, o rendimento médio por quarto disponível (RevPAR) situou-se em 20,7 euros em maio, superior ao registado no mês de abril que foi de 10,8 euros.

Já o rendimento médio por quarto ocupado (ADR) atingiu 77,6 euros em maio (60,6 euros em abril). Em maio de 2019, o RevPAR e o ADR foram 52,3 euros e 87,8 euros, respetivamente.

Feitas as contas, no conjunto dos primeiros cinco meses deste ano foi verificada uma diminuição de 48,8% das dormidas totais, resultante de variações de -3,6% nos residentes e -72,7% nos não residentes.

“Note-se que estas variações são influenciadas pelo facto de nos dois primeiros meses de 2020 não se ter ainda feito sentir o impacto da pandemia”, lembra o gabinete de estatística, acrescentando que, comparando com o mesmo período de 2019, as dormidas registaram uma diminuição de 79,7% (-53,3% nos residentes e -90,1% nos não residentes).

Neste período, os proveitos registaram diminuições de 47,8% no total e 46,3% relativos a aposento. Entre janeiro e maio de 2021, considerando a generalidade dos meios de alojamento foram registados 2,4 milhões de hóspedes e 5,6 milhões de dormidas, correspondendo a variações de -40,8% e -45,7%, respetivamente, face ao mesmo período de 2020.