Sociedade

Vídeo mostra inação da GNR em desacatos com atropelamento e feridos em Reguengos

Guarda já anunciou abertura de inquérito para apurar eventuais responsabilidades dos militares no local. Rui Rio exige explicações de Eduardo Cabrita e de António Costa.


Pelo menos três pessoas ficaram feridas nos desacatos perto de uma esplanada em Reguengos de Monsaraz, distrito de Évora, que ocorreram na sexta-feira à noite.

Os militares da GNR que estavam no local foram incapazes de controlar os confrontos físicos e de evitar um atropelamento, "dada a quantidade de pessoas".

O episódio de violência foi filmado por alguém que estava numa varanda junto ao local, o vídeo, com cerca de três minutos, foi depois partilhado nas redes sociais.

Na sequência de o vídeo se ter tornado público, a GNR emitiu um comunicado, já este sábado, no qual anunciava a abertura de inquérito interno. “Será instaurado processo de averiguações para apuramento de eventual responsabilidade disciplinar relativamente à atuação dos militares da GNR”, lê-se na nota.

A guarda explicou ainda que os militares foram chamados ao local às 22h30 depois de um grupo de pessoas tentar “entrar num estabelecimento de venda de bebidas ao público” sem ter o necessário “certificado digital covid”.

“Chegada ao local, a patrulha tentou cessar o desentendimento, mas dada a quantidade de pessoas no local, acionou os meios de reforço, de forma a preservar a segurança e a integridade física dos demais envolvidos e dos próprios militares da GNR”, acrescentou.

Uma das três pessoas feridas após o atropelamento teve de receber tratamento hospitalar, segundo a GNR, que adiantou ainda que o homem, que se vê na imagem, a agredir e a ameaçar várias pessoas e a entrar no carro acelerando em seguida, “foi identificado”, além de terem sido, posteriormente, “apreendidas duas viaturas”.

O caso foi entretanto entregue à Polícia Judiciária, tendo em conta a “natureza do crime”.

O facto de o vídeo publicado nas redes sociais ter ganhado uma dimensão de notícia nacional não levou apenas a uma resposta da GNR, o líder da oposição Rui Rio também fez questão de reagir – e de forma dura – ao caso e à atuação da GNR.

O presidente do PSD vai mesmo mais longe ao pedir justificações do Governo, nomeadamente do primeiro-ministro, António Costa, e do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

“Que justificação têm o Ministro da Administração Interna e o Primeiro-ministro - que diz que ele é um excelente governante - sobre esta cena de violência, perante a total condescendência da GNR? Facilitismo e impunidade são via para o caos, não são caminho para o desenvolvimento”, escreveu no Twitter.