Sociedade

Câmara de Reguengos de Monsaraz aponta caso de violência como exemplo da "falta de efetivos e meios" da GNR

O município de Évora vai solicitar uma audiência, de caráter urgente, ao ministro da Administração Interna. 


A Câmara de Reguengos de Monsaraz considera que o caso da violência que ocorreu na sexta-feira demonstra uma “falta de efetivos” da Guarda Nacional Republicana (GNR), ao assinalar a identificação dos “infratores” e a abertura de “inquéritos” algo “fundamental”.

O município de Évora vai solicitar uma audiência, de caráter urgente, ao ministro da Administração Interna, com o intuito de “garantir um reforço de efetivos e de meios” da GNR, indicou em comunicado, esta segunda-feira.

No mesmo documento, enviado à agência Lusa, a autarquia repudiou os desacatos e a violência que ocorreu junto da esplanada de um bar, da qual resultaram três feridos, que foram atropelados pelo condutor de um automóvel.

Para a câmara será "fundamental que se identifiquem os infratores e sejam abertos os respetivos inquéritos, para se fazer justiça", uma vez que este caso é de “extrema gravidade” e que “fizeram transparecer a falta de efetivos e de meios” do Posto Territorial de Reguengos de Monsaraz da GNR.

O município eborense salientou, em comunicado, uma moção que foi aprovada em 2019 pela câmara e pela assembleia municipal, na qual os órgãos "reprovaram a diminuição do número de efetivos da GNR nos Postos Territoriais de Reguengos de Monsaraz e de Telheiro".

Segundo a moção, em 2009, "encontravam-se ao serviço cerca de 40 militares no Posto Territorial de Reguengos de Monsaraz e seis no Posto de Telheiro" e que, em 2019, nos mesmos postos, estavam, respetivamente, 24 e cinco militares, verificando-se a diminuição ao longo dos anos.

Ainda que Reguengos de Monsaraz seja um “território com baixo índice de criminalidade", a câmara indicou que este episódio de violência foi “pontual”, sublinhando na mesma a necessidade "garantir a ordem e a tranquilidade públicas e a segurança e a proteção dos munícipes e dos seus bens" e também dos turistas que cada vez mais escolhem esta localidade para conhecer um dos cantos do nosso país.