Internacional

Ausência "pingdémica". App britânica deixa 600 mil pessoas em isolamento e prateleiras dos supermercados vazias

Esta vaga de autoisolamentos – obrigatória, uma vez que foi sinalizada pela aplicação do estado – está a causar fortes perturbações em vários setores como o retalho alimentar, postos de combustível, transportes de mercadorias e forças de segurança.


Mais de 600 mil pessoas em Inglaterra e no País de Gales receberam um alerta para auto-isolamento, na semana entre 8 e 15 julho, através da aplicação NHS Covid-19, concebida pelo sistema de saúde britânico, equivalente ao português StayAway Covid.

Esta vaga de autoisolamentos – obrigatória, uma vez que foi sinalizada pela aplicação do estado – está a causar fortes perturbações em vários setores como o retalho alimentar, postos de combustível, transportes de mercadorias e forças de segurança.

As edições dos jornais britânicos desta quinta-feira refletem a falta de funcionários, ao mostrar várias fotografias de prateleiras vazias nos supermercados, sendo esta falha conhecida como “pingdémica”: palavra originada pelo som ‘ping’, associado ao envio do alerta da aplicação.

O secretário de Negócios britânico, Kwasi Kwarteng, disse à Sky News que o governo está “muito preocupado” com a situação, uma vez que não previa uma total paralisação nos supermercados e afins.

A segunda maior cadeia de retalho alimentar britânica, Sainsbury’s, indicou que os clientes não conseguem encontrar os produtos que desejam e que quando são entregues grandes quantidades de produtos, diretamente nas lojas, os funcionários “estão concentrados em levá-los para as prateleiras o mais rapidamente possível", explicou um porta-voz da Sainsbury’s, citada pela Reuters.

Já a cadeia alimentar Iceland anunciou que irá recrutar duas mil pessoas para preencher as ausências e que vai funcionar durante menos horas por dia. A conhecida Tesco admitiu que ter ficado sem água engarrafada para venda.

A empresa de combustíveis BP fechou temporariamente alguns postos de abastecimento devido à falta de combustível, visto que há escassez de condutores de veículos pesados, isolados pela covid-19, indica a mesma fonte.

Devido a esta irregularidade, o executivo britânico decidiu que os trabalhadores de determinadas indústrias, ou aqueles que estejam a combater a covid-19 na linha da frente, vão ficar isentos de cumprir o isolamento de dez dias caso sejam sinalizados pela aplicação. Contudo, esta medida precisa de ser formalizada.

Mesmo com um número elevado de vacinados, o valor de casos diários de covid-19 tem vindo a aumentar no Reino Unido nas últimas semanas. Porém, a vacinação tem sortido efeito nos internamentos, uma vez que têm sido declaradas menos mortes em comparação com a altura em que a campanha de vacinação estava a iniciar.

Faltam cerca de 12% de adultos e quase todas as crianças por vacinar. De realçar que, na semana passada, mais de um milhão de crianças não foram à escola por causa da disseminação do vírus.