Economia

Oeiras, Lisboa e Cascais são os concelhos onde se ganha mais

A mediana do rendimento bruto, declarado no IRS, aumentou 4,5% em 2019, face a 2018.


Um quinto dos municípios (65 em 308) apresentou valores medianos do rendimento superiores à média nacional durante 2019, fixada em 9539 euros, um valor 4,5% superior em relação ao ano anterior, traduzindo um valor mediano de 12 499 euros por agregado fiscal. “Ao nível regional, o valor mediano de rendimento mais elevado registou-se na Área Metropolitana de Lisboa – AML– (14 394 euros), a única região que supera o valor nacional, por outro lado, a região do Algarve destaca-se com o menor valor mediano por agregado fiscal (11 311 euros)”, refere o INE.

Dentro da Área Metropolitana de Lisboa destacam-se municípios, como Oeiras, que obteve o valor mais elevado do país (18 373 euros), seguidos pelos municípios da região de Coimbra (sete dos 19 municípios), da Região de Aveiro (quatro em 11), do Médio Tejo (quatro em 13), da Região Autónoma dos Açores (quatro dos 16 municípios com informação disponível) e da Área Metropolitana do Porto (quatro dos 17 municípios), e, no Interior continental, municípios sede de distrito.

Os municípios da AML, entre os quais Oeiras, que obteve o valor mais elevado do país (18.373 euros), seguidos pelos municípios da região de Coimbra (sete dos 19 municípios), da Região de Aveiro (quatro em 11), do Médio Tejo (quatro em 13), da Região Autónoma dos Açores (quatro dos 16 municípios com informação disponível) e da Área Metropolitana do Porto (quatro dos 17 municípios), e, no Interior continental, municípios sede de distrito.

Já os agregados fiscais com valores medianos mais baixos de rendimento bruto declarado, relativo a 2019, localizavam-se no interior da região Norte, maioritariamente.

A sub-região do Tâmega e Sousa, por outro lado, registou o menor diferencial (1.427 euros) entre municípios, enquanto a AML apresentou a maior diferença absoluta entre o valor mediano do rendimento bruto declarado e o valor mediano do rendimento bruto declarado deduzido do IRS liquidado por agregado fiscal em 2019 (888 euros), correspondente a cerca de 6,2% do rendimento bruto mediano.