Desporto

Após protesto português, Marta Pen Freitas segue para as meias-finais de 1.500 metros

A contar para as eliminatórias, a portuguesa, que ia a um bom ritmo, foi travada pela marroquina Rababe Arafi, ao parar à sua frente, causando um choque entre ambas.


A corredora Marta Pen Freitas assegurou o apuramento para as meias-finais dos 1.500 metros, na madrugada de domingo para segunda-feira, através de um recurso apresentado pelo Comité Olímpico de Portugal ao Júri de Apelo devido a um incidente de corrida.

A atleta de 28 anos terminou a corrida em décimo lugar, contudo o resultado poderia ter sido melhor, visto que a portuguesa, que ia a um bom ritmo, foi travada pela marroquina Rababe Arafi, ao parar à sua frente, causando um choque entre ambas.

No final, Marta Freitas acabou na 28.º posição no conjunto das eliminatórias, a 1,11 segundos de se apurar para repescagem.

Em declarações à RTP, a atleta disse que foi uma situação “difícil de digerir”. "Infelizmente, por uma coisa externa a mim não fui capaz de conquistar aquilo que era capaz. Mas o desporto é assim. Custa um bocadinho, mas estou super orgulhosa", afirmou ao mesmo órgão de comunicação social.

Porém, a sua corrida não fica por aqui. O protesto do Comité Olímpico português foi aceite pelo Júri de Apelo, pelo que Marta Pen Freitas irá continuar na luta e voltará a pisar a pista do Estádio Olímpico de Tóquio, na próxima quarta-feira, nas meias-finais.