Sociedade

Português que matou mulher e filho com 30 tiros começa a ser julgado na Suíça

Duplo homicídio ocorreu já depois de vítimas terem saído da casa onde viviam com emigrante luso, que há anos que os agredia.


Vai ter início no dia 16 de agosto o julgamento de um emigrante português de 53 anos acusado de matar a mulher e o filho mais velho com mais de 30 tiros a 25 de abril de 2018, em Payerne, na Suíça.

De acordo com o jornal suíço-francês 24heurs, “os factos relatados pela acusação causam arrepios” e revelam falta de “escrúpulos” por parte do arguido.

O casal emigrou para a Suíça em 2006 com os dois filhos pequenos. O homem era pedreiro e a mulher empregada de limpeza.

A relação começou a deteriorar-se em 2012, tendo o agressor passado a agredir a mulher com chapadas, socos e pontapés, assim como a ameaçá-la de morte. Também o filho mais velho, que sempre defendeu a mãe, se viu envolvido nas agressões.

Em setembro de 2017, a vítima conseguiu sair de casa mas continuou a ser assediada pelo ex-companheiro. Dias antes do crime, o agressor terá enviado cerca de 70 mensagens de texto à vítima, onde lhe chamava de “mentirosa” e “vadia”.

A 25 de abril, devido a “ciúmes extremos”, escreve a imprensa local,  o homem dirigiu-se à casa da mulher, onde também estava o filho mais velho, e atingiu o rapaz à queima roupa, deixando-o ferido com gravidade. Atingiu a mulher várias vezes com tiros e após garantir que a mesma estava morta foi atrás do filho, que se tinha escondido, e atirou a matar.

Após o crime, o agressor ligou a dois familiares e confessou o que tinha feito. Apesar disso, permaneceu vários dias em fuga à justiça, acabando por se entregar. Desde então, o emigrante está na prisão de Bois-Mermet, em Lausanne, Suíça.

Segundo com o 24heurs, devido à gravidade do crime, o português poderá ser condenado a prisão perpétua.