Sociedade

PJ confirma que identificou estrangeira suspeita de vandalizar Padrão dos Descobrimentos

Autoridade diz que suspeita já não está em território nacional, à semelhança do que o i tinha noticiado. 


A Polícia Judiciária (PJ) confirmou, esta terça-feira, que já foi identificada a alegada autora do graffiti inscrito, no domingo, no Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa.

Tal como i avançou na edição de hoje, trata-se de uma cidadã estrangeira, que já não se encontra em Portugal.

“Foram desencadeadas as diligências investigatórias e periciais necessárias através da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo e do Laboratório de Polícia Científica, para a recolha de elementos de prova e para a descoberta da autoria do ato ilícito. Até ao momento, foi identificada como suspeita da prática dos factos uma cidadã estrangeira, que já terá praticado atos da mesma natureza noutros locais e que, entretanto, se ausentou do território nacional”, revela, em comunicado, a PJ, que assumiu a investigação do caso. Em causa está o crime de dano qualificado.

Segundo a autoridade, “a investigação prossegue com a adoção das medidas processuais adequadas à situação”.

Sublinhe-se que o i noticiou, esta terça-feira, que o ato de vandalismo teria sido cometido por uma jovem francesa, estudante na L’Ecole d’Art, de seu nome Leila Lakel. Esta terá partilhado um vídeo da mensagem grafitada adornado com a descrição: “it’s a wrap. Bye lisboa”, que numa tradução livre significa: “Está feito. Adeus lisboa”. A publicação foi feita numa conta cujo nome é “____l.i.a____”.

Recorde-se o graffiti, com cerca de 20 metros, dizia:“Blindly sailing for monney, humanity is drowning in a scarllet sea” (“Velejando cegamente por dinheiro, a Humanidade afunda-se num mar escarlate”).

Ontem ao final da tarde, já depois de a PJ ter estado no local, uma empresa especializada em restauro acabou por remover o graffiti.