Desporto

Dívida do Barcelona atinge os 1,35 mil milhões de euros

O clube catalão deve 617 milhões de euros a bancos, 369 milhões a jogadores e outros mais referentes a questões judiciais e direitos televisivos. 


O Barcelona está a passar por um período complicado em termos financeiros, tendo aumentado a sua dívida para 1,35 mil milhões de euros, anunciou o presidente do clube esta segunda-feira.

Após a auditoria às contas, Joan Laporta revelou em conferência de imprensa os valores que perfazem a dívida do clube: 617 milhões são referentes a dívidas bancárias; 389 milhões a jogadores; 56 milhões de compromissos com a Espai Barça (projeto para reurbanizar a área circundante ao Camp Nou); 90 milhões de questões judiciais; 40 milhões não cobrados aos sócios e 79 milhões de direitos televisivos.

Desta forma, o clube catalão tem um saldo líquido negativo de 451 milhões de euros, o que dificulta o processo de negociação com os jogadores, explicou Laporta.

"Os nossos salários representam 103% das receitas totais do clube. Mais 20 ou 25 do que os nossos concorrentes. Deparámo-nos com uma situação difícil para renegociar os contratos dos jogadores", esclareceu o presidente, ao apontar a venda de jogadores, a redução de salários em 200 milhões de euros e formação de jovens jogadores como opções para atingir uma situação financeira mais saudável.

Laporta culpabilizou o ex-presidente do Barcelona, Josep Bartomeu, por deixar o clube numa situação “dramática”, que acabou por abrir mãos de Lionel Messi para o Paris Saint-Germain.

A questão do teto salarial foi o motivo principal para Messi não renovar contrato com o ‘Barça’, contando ainda com o facto de que o clube já está a exceder o limite salarial imposto pela Liga espanhola e com o jogador argentino ainda iria ultrapassar mais.

O teto salarial do Barcelona atinge os 103% das receitas do clube, mais 30% do valor que a La Liga limita (70%). "Estamos a trabalhar, há jogadores que têm salário fixos e alguns bónus, mas tudo se está a racionar. Alguns jogadores como Piqué, que aceitou a redução e permitiu que inscrevêssemos jogadores. Noutros casos estamos a ponderar uma redução de bónus e estamos a ver uma predisposição por parte do plantel", indicou Joan Laporta.

Mesmo com esta adversidade grave, Laporta mostrou-se bastante otimista e capaz para “reverter a situação. “Aqui todos apertamos o cinto, num par de anos a economia do clube estará resolvida", sublinhou o presidente, que estará a pensar em constituir uma SAD para limpar as contas do clube, reforçando a ideia de que o Barcelona é uma propriedade dos sócios.

"Há um plano estratégico sustentado em credibilidade e experiência que temos. Acabamos de conseguir 560 milhões de euros para reestruturar a dívida, com 1,9% de juros e isso é uma boa notícia. Temos 17 investidores interessados no Barça Studios. Temos cinco propostas para patrocinador principal. Vejo uma equipa motivada a mostrar que é uma mais-valia, assim como a direção", assinalou.