Internacional

União Europeia tem apenas uma "equipa muito pequena" a operar em Cabul

O tempo não para e a pressão entre os talibãs e as forças internacionais continua a aumentar dia para dia. Apesar o ambiente "pouco amigável", a UE está focada em retirar civis "o mais depressa possível".


Apesar do ambiente hostil no Afeganistão, a União Europeia (UE) tem apenas uma “equipa central muito pequena” de diplomatas em Cabul, que ficará o “tempo necessário” para conclui as operações de retirada de afegãos.

"No que toca ao pessoal da UE, ou seja, o pessoal diplomático especializado, todos eles foram já retirados, exceto uma equipa central muito pequena que ainda está no terreno a ajudar com os esforços de evacuação em curso", confirmou o porta-voz principal dos assuntos externos e da política de segurança da Comissão Europeia, Peter Stano, na conferência de imprensa diária, em Bruxelas.

"Eles estarão no terreno o tempo necessário para completar as operações de resgate e é uma equipa central muito pequena", realçou o responsável, que se recusou em adiantar “mais detalhes sobre os números exatos”, uma vez que esta equipa está a “operar num ambiente que não é exatamente amigável”.

Neste momento, a tensão aumenta de dia para dia em Cabul entre aos talibãs e as forças internacionais devido ao prazo, estipulado para o dia 31 de agosto, para terminar a retirada de milhares de pessoas que se têm aglomerado no aeroporto de Cabul, desde a tomada de posse do grupo extremista há onze dias.

"Só posso repetir que todos os nossos esforços neste momento estão concentrados em completar esta operação o mais rapidamente possível, num ambiente que não é exatamente amigável e onde a situação evolui no terreno a toda a hora", salientou Peter Stano, que afirmou que a UE "não está a trabalhar sob o pretexto do prazo de 31 de agosto", mas sim focada em "retirar essas pessoas o mais depressa possível".

Em relação aos voos humanitários para retirada de civis de Cabul, o responsável disse que "a União Europeia não é proprietária e não opera os aviões [utilizados para as operações], por isso é claro que está dependente dos Estados-membros e parceiros para retirar pessoas de lá, nomeadamente utilizando aviões militares".

Stano também confirmou que “mais de 400” afegãos que trabalham no terreno para a UE, “incluindo membros das suas famílias, foram retirados de Cabul em segurança”.

Desde 14 de agosto, os Estados Unidos já retiraram 37 mil pessoas do Afeganistão, um número que sobe para os 42 mil desde o final de julho. Já o Reino Unido resgatou 6.600 pessoas desde a tomada de posse dos talibãs.