Economia

Altice Portugal. Receitas crescem 7,6% para os mil milhões de euros no primeiro semestre

Empresa liderada por Alexandre Fonseca diz que a empresa beneficiou “de um contexto económico que parcialmente retomou a normalidade, após o gradual levantamento de medidas de confinamento relacionadas com a pandemia da Covid-19”.


As receitas da Altice Portugal chegaram aos 1099,8 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano, um valor que representa um crescimento de 7,6% face à primeira metade de 2020. Os valores foram anunciados esta segunda-feira pela empresa liderada por Alexandre Fonseca, que acrescenta que os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) subiram 1,4%, para 417,3 milhões.

A operadora justifica este crescimento com “uma evolução sustentada no crescimento contínuo da base de clientes, num portfólio inovador e diversificado, na manutenção de elevados padrões de qualidade de serviço e racionalização da estrutura orgânica e de custos operacionais”, acrescentando ainda ter presente que o desempenho foi condicionado pelo “atraso no Leilão do 5G e a contínua deterioração do ambiente regulatório, que se antecipa continuar a destruir valor”.

No que diz respeito à receita, a empresa liderada por Alexandre Fonseca defende que “beneficiou de um contexto económico que parcialmente retomou a normalidade, após o gradual levantamento de medidas de confinamento relacionadas com a pandemia covid-19”.

A ajudar a esta evolução está também o desempenho do segundo trimestre do ano em que as receitas da Altice Portugal atingem 550,7 milhões de euros, com um crescimento homólogo de +10,3%. Já o EBITDA atingiu os 213 milhões de euros, um incremento de 5,9%.

“A evolução homóloga das receitas no segundo trimestre de 10,3% e também no trimestre anterior de 5,1%, mostra já uma maior sustentação nas várias linhas de negócio, beneficiando também do efeito originado pelo confinamento obrigatório no segundo trimestre de 2020, se ter traduzido na inexistência de receita de conteúdos premium desportivos, em resultado da suspensão de competições desportivas, num menor volume de vendas de equipamentos, devido ao encerramento das lojas, e na quebra da receita de roaming, dada a ausência de turismo e a restrição em viajar”, acrescenta a Altice.

A impulsionar a trajetória da linha das receitas está o “crescimento ininterrupto” nos negócios fixo e móvel, da base de clientes e de serviços da empresa, justifica a Altice.

Já o investimento ascendeu a 117,1 milhões de euros no segundo trimestre e a 228,4 milhões de euros no primeiro semestre (+2,8% e +4,7% que o mesmo período do ano anterior, respetivamente), “refletindo a continuação da expansão da cobertura de fibra ótica”.

A Altice Portugal adicionou mais 111 mil casas no segundo trimestre deste ano e mais 208 mil nos primeiros seis meses do ano, tendo, no final de junho de 2021, atingido 5,8 milhões de casas passadas em Portugal.

“Apesar de já se sentir em menor escala o efeito da situação pandémica, com a progressiva abertura da economia, a Altice Portugal manteve-se fiel ao compromisso de levar aos seus clientes particulares e empresariais uma conectividade fiável e soluções integradas, que os apoiem ao longo do caminho da transformação digital, elemento que se tornou essencial para ultrapassar as limitações impostas por esta nova realidade. Portugal pôde, uma vez mais, contar com a resiliência da Altice Portugal, o operador líder no mercado das telecomunicações”, lê-se no comunicado da operadora.