Economia

PIB dispara 15,5% no 2.º trimestre e 4,9% em cadeia

De acordo com as previsões do Governo, a economia deverá crescer 4% no conjunto deste ano, um valor inferior em relação às estimativas do Banco de Portugal, que apontam para um crescimento de 4,8%.


O produto interno bruto (PIB) disparou 15,5% no 2.º trimestre de 2021 em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com os dados divulgados, esta terça-feira, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Já face aos primeiros três meses do ano, ou seja em cadeia - meses que foram afectados pelo confinamento - o PIB cresceu 4,9%.

"O PIB, em termos reais, registou uma variação homóloga de 15,5% no 2º trimestre de 2021 (-5,3% no trimestre anterior). Esta evolução é influenciada por um efeito de base, uma vez que as restrições sobre a atividade económica em consequência da pandemia se fizeram sentir de forma mais intensa nos primeiros dois meses do segundo trimestre de 2020, conduzindo então a uma contração sem precedente da atividade económica", refere o gabinete de estatísticas.

Recorde-se que, na estimativa rápida conhecida em 30 de julho, a autoridade estatística nacional já indicava que o PIB teria registado um crescimento de 4,9% no segundo trimestre face ao primeiro e de 15,5% face ao mesmo período do ano passado.

"O contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB foi positivo, enquanto o contributo da procura externa foi nulo. Refira-se ainda que no 2º trimestre de 2021, em termos homólogos, se registou uma perda nos termos de troca, tendo o comportamento do deflator das importações sido influenciado, em larga medida, pelo crescimento pronunciado dos preços dos produtos energéticos", justifica a agência de estatísticas. 

De acordo com as previsões do Governo, a economia deverá crescer 4% no conjunto deste ano, um valor inferior em relação às estimativas do Banco de Portugal, que apontam para um crescimento de 4,8%.