Sociedade

Caos nas Lojas do Cidadão

Até ontem, as lojas do cidadão só funcionavam com atendimento presencial para quem tivesse feito marcação.


Os serviços públicos, como as lojas do cidadão, passaram a funcionar sem marcação prévia a partir de ontem, segundo as novas regras dono âmbito da covid-19 aprovadas no último Conselho de Ministros. Recorde-se que foi anunciado que as medidas seriam alteradas assim que fosse atingido o patamar de 70% da população com vacinação completa (foram atingidos os 83%). É de lembrar que, até agora, as lojas do cidadão só funcionavam com atendimento presencial para quem tivesse feito marcação.

Senhas esgotadas  

No entanto, na manhã de ontem, as senhas de atendimento esgotaram em vários serviços públicos de Lisboa 
e do Porto. De acordo com a RTP, que esteve em reportagem na Loja do Cidadão das Laranjeiras, na capital, foram criadas duas filas: de um lado, estavam os cidadãos que fizeram agendamento prévio e, do outro, aqueles que apareciam de forma espontânea. Contudo, no período da manhã, esgotaram as senhas da Segurança Social e dos serviços de emissão de passaporte e cartão do cidadão para quem não havia procedido ao agendamento prévio. 

É de lembrar que há uma semana a Plataforma Sindical dos Registos alertou para o “cenário terceiro mundista” que as pessoas sem agendamento enfrentam nas conservatórias e lojas do Cidadão, na esperança de serem atendidas.

Os comentários estão desactivados.