Internacional

O que acontecerá quando a rainha Isabel II morrer? Planos da 'Operação Ponte de Londres' foram divulgados

Cerimónias fúnebres terão a duração de dez dias. O príncipe Carlos será proclamado rei no dia seguinte à morte da rainha e todas as redes sociais do governo britânico e da realeza devem prestar homenagem à monarca. 


Os planos e detalhes para o anúncio da morte e para o funeral da rainha Isabel II foram divulgados pelo jornal Politico e, apesar de a monarca de 95 estar bem de saúde, está tudo pensado ao pormenor.

Segundo o Politico, que teve acesso aos documentos confidenciais, a ‘Operação Ponte de Londres’ revela os principais passos que o governo e as autoridades britânicas, além da família real, têm de seguir aquando a morte da monarca.

Assim que a sua morte for confirmada, as autoridades serão informadas que “a Ponte de Londres caiu”. Esse dia será o “Dia D” e seguem-se dez dias de cerimónias fúnebres – o D+1, D+2, por aí adiante até ao D+10.

Após os familiares, o primeiro-ministro britânico e o secretário do Gabinete e alguns dos ministros e funcionários mais graduados serão os primeiros a serem informados da morte da rainha. “Acabamos de ser informados da morte de Sua Majestade, a Rainha”, deverá ler-se no aviso oficial.

O resto do mundo deverá saber da morte da rainha através de um comunicado oficial da realeza. Nesse mesmo dia, o herdeiro ao trono britânico – o príncipe Carlos – deverá encontrar-se com o primeiro-ministro e será proclamado rei no dia seguinte.

O D+1 será dedicado a homenagens e à preparação do funeral da monarca. Ainda antes do funeral, o príncipe Carlos deverá fazer uma viagem pelo Reino Unido, até aos parlamentos da Escócia e da Irlanda do Norte.

No quinto dia após a morte, realizar-se-á uma procissão por Londres e uma missa. O caixão da rainha Isabel II ficará em câmara ardente no Palácio de Westminster entre o sexto e o nono dia das cerimónias fúnebres.

Ao sétimo dia, o príncipe Carlos irá fazer uma visita ao Parlamento do País de Gales.

O funeral da rainha deverá ocorrer dez dias após a sua morte, na abadia de Westminster e o caixão será enterrado na Capela de São Jorge, no Castelo de Windsor. Nesse dia haverá dois minutos de silêncio em todo o Reino Unido.

Os documentos alertam ainda as autoridades para as medidas que devem ser tomadas, tendo em conta a possível lotação de Londres com os cidadãos a quererem prestar uma última homenagem à rainha.

Todas as redes sociais do governo britânico, bem como as páginas oficiais na internet, não podem publicar conteúdos que não sejam relacionados com a morte da rainha – excluindo motivos de força maior, como emergências nacionais – e devem ter fundos pretos.