Sociedade

Mais de 150 operacionais e sete meios aéreos estão a combater fogo em Vila Pouca de Aguiar

O fogo é uma reativação do incêndio que deflagrou pelas 23h25 de domingo, numa zona de mato da localidade de Soutelo de Matos. Vento e declive acentuado da zona de mato estão a causar dificuldades no combate.


O combate a um incêndio, esta segunda-feira, em Soutelo de Matos, Vila Pouca de Aguiar, já mobilizou mais de 150 operacionais e sete meios aéreos, numa altura em que o fogo já entrou numa zona de pinheiro bravo, o declive acentuado e o vento estão a dificultar as operações.

O fogo é uma reativação do incêndio que deflagrou pelas 23h25 de domingo, numa zona de mato da localidade de Soutelo de Matos, na freguesia de Pensalvos e Parada de Monteiros, que cerca da 01h entrou em fase de resolução.

As chamas estão a queimar o sopé da serra do Minhéu, “zona de declive muito acentuado”, explicou o comandante distrital de operações de socorro de Vila Real, Álvaro Ribeiro, à agência Lusa, indicando que o “vento está a contribuir para a velocidade de propagação” do fogo.

Segundo Álvaro Ribeiro, "estão a ser projetados mais meios terrestres e meios aéreos" para o terreno. De acordo com o site da Proteção Civil, consultado às 18h30, no local estão 154 operacionais, apoiados por 42 veículos e sete meios aéreos.

A área a arder situa-se numa zona de “povoamento muito denso” de pinheiro bravo, causando assim “algumas dificuldades” aos bombeiros, afirmou o comandante distrital, ao frisar que “a tendência é o vento perder força” e por isso poderá haver uma “janela de oportunidade para atacar o incêndio".