Economia

Sonangol com prejuízos em 2020

Quanto às privatizações, foram alienados três ativos, com encaixe total de cerca de 40,6 milhões de euros.


A petrolífera angolana Sonangol terminou o ano de 2020 com um resultado líquido negativo de 2,5 mil milhões de euros (3 mil milhões de dólares), refletindo a redução drástica das receitas do petróleo e o impacto da covid-19.

Quanto às privatizações, foram alienados três ativos, com encaixe total de cerca de 40,6 milhões de euros.

No relatório é destacada também a conclusão do programa de reestruturação em 2020 com a adoção de um novo modelo organizacional e de governo e o saneamento financeiro, que permitiu uma poupança de 1.441 milhões de dólares (1.219 milhões de euros), contribuindo para uma redução das importações de combustíveis em 66%, custos de estrutura em 14%, custos da atividade mineira em 12% e custos com o pessoal em 9%.

O documento assinala ainda o arranque da implementação da estratégia de exploração e produção, que prevê um aumento da quota de produção operada de 2% para pelo menos 10% em 2027, o desenvolvimento do projeto da Refinaria do Lobito e decisão final de investimento para a construção da 1.ª fase da Refinaria de Cabinda para a qual e prevê uma capacidade de processamento de 30.000 barris por dia.

Em 2021, segundo as perspetivas apresentadas no seu relatório anual, a Sonangol prevê investir cerca de 2,2 mil milhões de dólares (1,9 mil milhões de euros), com um maior foco na sua cadeia nuclear de valor e em energias renováveis.