Sociedade

Ângela Ferreira vai mesmo engravidar do marido que já morreu. Caso "está praticamente resolvido"

Recorde-se que o tema foi levado ao Parlamento devido a uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos (ILC) dinamizada pela viúva e que reuniu mais de 20 mil assinaturas.

DR  


Ângela Ferreira, a mulher que no início de 2020 emocionou o país ao revelar que queria engravidar do marido que já tinha morrido, vai conseguir concretizar o seu desejo. A notícia foi revelada pelo jornalista Emanuel Monteiro, que divulgou a história de Àngela na reportagem “Amor Sem Fim”, emitida a 3 de janeiro de 2020 na TVI.

"O caso da Ângela está praticamente resolvido. A lei já foi aprovada no Parlamento para que ela possa engravidar. Entretanto, foi vetada pela Presidência da República e teve de voltar ao Parlamento para sair uma versão final para que ela possa finalmente engravidar do Hugo", revelou o jornalista, em entrevista ao programa ‘Em Família’ da TVI, no passado sábado.

"A Presidência vai acabar por aprovar, porque a lei não foi aprovada por uma questão que tinha que ver com heranças, mas que não vai interferir no processo", acrescentou.

Recorde-se que o tema foi levado ao Parlamento devido a uma Iniciativa Legislativa de Cidadãos (ILC) dinamizada pela viúva e que reuniu mais de 20 mil assinaturas para integrar na Procriação Medicamente Assistida (PMA) a inseminação pós-morte.