Opiniao

Uma história enevoada de Portugal Romano. Parte 9 - A propagação do Judaísmo Cristão

Na Lusitânia, a tendência para o arianismo e o inconformismo foi impulsionada em 370 pelo movimento prisciliano, cujo fundador nascera na Galiza (340) numa rica família nobre. Ele condenou a corrupção e o oportunismo do clero e defendeu uma fé cristã ascética baseada no estudo dos Evangelhos e nas escrituras, além da abstinência de excessos como consumir carne e vinho.


por Roberto Knight Cavaleiro

Os judeus nos seus papéis tradicionais de comerciantes, agiotas, cobradores de impostos e conselheiros da classe dominante estiveram presentes pelo menos seis séculos antes do nascimento de Cristo. Membros da tribo navegante de Dan tinham chegado com os seus primos fenícios, mas a maioria tinha cruzado o norte da África, onde comunidades haviam sido estabelecidas ao longo da costa, de Alexandria a Tânger. Muitos eram descendentes dos filhos de Israel, mas um número substancial eram convertidos de outras nações, como os berberes, e também incluíam soldados e escravos domésticos. Foi a este grupo que os primeiros evangelistas dirigiram a mensagem do Evangelho de Cristo.

O eminente historiador português Emanuel de Faria e Sousa (um Cavaleiro da Ordem de Cristo) conta-nos que o apóstolo Tiago pregou nas proximidades de Braga durante o reinado do infame Imperador Calígula (37-41 DC) e realizou muitos milagres. Isso incluiu a ressurreição “por extração” de um judeu chamado Samuel Malachias, que era descendente do Profeta Urias. Ele foi devidamente consagrado como o primeiro bispo de Braga, apenas para sofrer o martírio nas proximidades de Rates. Outro convertido do judaísmo chamado Torquatus ou Torcade foi igualmente martirizado perto de Guimarães: novamente pelo “povo vizinho”. Antes de embarcar para a Inglaterra, Tiago nomeou vários outros bispos, mas não há registo dos seus nomes ou atos. No entanto, existe uma lenda de que quando o cadáver decapitado de Tiago foi devolvido pelo mar, um príncipe local apareceu a bordo com cruzes e conchas a adornando-lho e ao seu corcel. Isso foi interpretado como sendo a vontade de Deus que a tribo do príncipe se convertesse ao cristianismo e acompanhasse Tiago ao seu sepulcro. Com o seu cavalo trotando acima das ondas até a costa, o príncipe fez o que lhe foi pedido e liderou o cortejo para Espanha.

Nos anos seguintes, há muito pouco registo da expansão da Reforma do Judaísmo-Cristianismo que foi perseguido junto com outros cultos vistos como uma ameaça à hegemonia política do culto ao imperador, mas parece certo que outros bispados foram estabelecidos e que as congregações consistiam cada vez mais de não-judeus .

No ano 267 DC, uma grande praga veio do Oriente e se alastrou tão violentamente que muitas cidades lusitanas ficaram desoladas e com fome. O flagelo foi atribuído aos cristãos que sofreram perseguição desde a época de Décio (249-251 DC) e muitos foram martirizados até a intervenção do imperador Galieno. Mas o estrago estava feito e dois bispos idólatras, Marcelo e Basilides, haviam renunciado à fé. O Papa Estêvão pediu clemência, mas um sínodo convocado em Braga rejeitou isso e a hierarquia eclesiástica elegeu novos bispos e diáconos.

Na primeira década do século IV o Sínodo de Elvira na Baetica contou com a presença dos bispos de Emerita, Ebora e Ossonoba (Faro) e alterou o direito canônico para que fosse feita uma maior distinção entre os deveres e poder do clero e dos leigos. Ele também condenou os judaístas ao ostracismo e reduziu o status das mulheres ao de vassalos com a obrigação de obter a permissão do chefe da família para até mesmo os atos mais mundanos. O Sínodo foi seguido em 313 pelo Édito de Tolerância assinado em Milão pelo imperador romano ocidental Constantino I (com Licínio no leste) que benevolentemente deu aos cristãos um status legal e encerrou a sua perseguição. Pouco antes da sua morte em 337, Constantino foi batizado por Ário, um presbítero de Alexandria que havia divergido da ortodoxia ao pregar uma forma simplificada da fé cristã que rejeitava a consubstancialidade de Cristo. Seu sucessor, Constâncio II, continuou a seguir o arianismo, que se espalhou rapidamente por todo o Império e incluía adeptos como Potamius, o primeiro bispo de Lisboa. Mas também foi vigorosamente combatido pelos proponentes do credo acordado no concílio ecumênico de Nicéia em 325 e a controvérsia durou até 380, quando o imperador Teodósio removeu o arcebispo ariano de Constantinopla e emitiu o Édito de Tessalônica que declarava o arianismo como herético e estabeleceu Nicéia ortodoxia como a Grande Igreja de Roma.

Na Lusitânia, a tendência para o arianismo e o inconformismo foi impulsionada em 370 pelo movimento prisciliano, cujo fundador nascera na Galiza (340) numa rica família nobre. Ele condenou a corrupção e o oportunismo do clero e defendeu uma fé cristã ascética baseada no estudo dos Evangelhos e nas escrituras, além da abstinência de excessos como consumir carne e vinho. Uma política emancipatória em relação ao papel das mulheres na igreja e na atividade social trouxe apoio aos seus ensinamentos que eram populares entre os leigos que estavam cansados ​​das disputas de hierarquia religiosa a respeito da trindade da Divindade.

Apoiado pelos bispos Instantius e Salvanius, Prisciliano foi consagrado bispo de Ávila e a sua doutrina espalhou-se pelo noroeste da Hispânia com o controle da propriedade da igreja. Isso foi imediatamente contestado pelo bispo metropolitano de Ossonoba (Faro), Itácio Claro, e pelo clero do sudoeste que acusou Prisciliano de ser um seguidor secreto do profeta parta Mani (considerado igual a Cristo, Zoroastro e Buda) com indulgência em magia, bruxaria e astrologia. A disputa foi encaminhada à autoridade papal e Prisciliano foi considerado culpado, embora ausente. No entanto, ele e seus partidários viajaram para Roma e a decisão foi revertida; as sedes dos três bispos foram restauradas com toda a autoridade e o próprio Itácio foi preso sob a acusação de “perturbar a igreja”.

Mas essa boa sorte não durou muito. Em 383, Magnus Maximus, o governador romano da Grã-Bretanha rebelou-se e derrotou o imperador Graciano para se tornar senhor do império ocidental. Máximo era pró-Nicéia e ordenou uma nova audiência das queixas feitas por Inácio, mas num tribunal secular sob a acusação de feitiçaria que era uma ofensa capital e resultaria no confisco pelo Estado de todos os bens pessoais. Sob tortura, Prisciliano confessou e, com cinco de seus seguidores, foi executado pela espada em 385.

Em resumo, o curso do cristianismo antes da desintegração do Império no final do século IV não foi feliz, mas o caminho foi pavimentado para que o catolicismo romano ortodoxo se tornasse a futura religião do Estado.

Isto conclui a série “Uma história enevoada de Portugal Romano” na qual tentei demonstrar como os acontecimentos em quinhentos anos moldaram o destino da nossa nação, proporcionando um sistema administrativo que permaneceu praticamente inalterado até ao século XVII e ainda hoje é visível em muitas partes do território.

São Tiago, o apóstolo

Arius

Prisciliano de Ávila

GRATIAS AGIMUS TIBI BENE ROMANI.

Tomar, 12 de setembro de 2021