Internacional

Gabby Petito: O estranho caso da jovem que foi de férias com o noivo e não voltou

Gabby, de 22 anos, e Brian, de 23 anos, namoram há cerca de dois anos e meio e ficaram noivos há um ano. Decidiram descobrir os Estados Unidos numa carrinha. Ela não voltou e ele recusa-se a falar sobre o que aconteceu. Agora estão os dois desaparecidos.


Tudo começou em julho, quando Gabrielle ‘Gabby’ Petito, de 22 anos, e o noivo, Brian Laundrie, de 23, decidiram descobrir os Estados Unidos da América através de uma viagem numa carrinha. Brian regressou a casa no dia 1 de setembro, mas Gabby não. Agora estão os dois desaparecidos.

A jovem foi vista pela última vez no dia 24 de agosto, a sair de um hotel em Salt Lake City, no Utah. Dois dias mais tarde, Gabby – que estava a documentar a viagem nas redes sociais – deixou de publicar no Instagram. As chamadas telefónicas para a mãe também acabaram e o contacto passou a ser feito por mensagens. Segundo a família, a última vez que Gabby mandou uma mensagem aos pais foi no dia 30 de agosto, quando o casal estava na área do Parque Nacional de Grand Teton, em Wyoming.

"Não sei se tecnicamente era ela ou não, porque se tratava apenas de um texto. Não falei verbalmente com ela", disse Nichole Schmidt, mãe de Gabby, numa entrevista à CBS News.

Cerca de duas semanas antes, a 12 de agosto, a polícia de Utah tinha respondido a uma denúncia de violência doméstica que envolveu o casal. Os jovens ter-se-ão envolvido em confrontos físicos após uma discussão. Às autoridades, Gabby admitiu a culpa e disse ter problemas de saúde mental e que, por isso, tentou agredir o noivo.

No entanto, "tanto um como o outro disseram que estavam apaixonados e prestes a casar e que não queriam que nenhum deles fosse acusado de um crime", lê-se no relatório elaborado pelo polícia Daniel Robbins. "Depois de avaliar as circunstâncias, não acredito que a situação escalasse para o nível de violência doméstica ou de uma crise de saúde mental", afirmou Robbins.

No dia 1 de setembro, Brian volta para casa, na Florida, sozinho e sem dar explicações sobre o paradeiro na jovem. Os pais de Gabby decidem reportar o desaparecimento às autoridades dez dias depois, e tanto Brian, como a sua família, recusam-se a responder a questões relacionadas com a localização da jovem, sem a presença de um advogado, segundo revelou a polícia norte-americana.  

"Este é um momento extremamente difícil para a família Petito e para a família Laundrie. Entendo que foi organizada uma busca pela senhorita Petito no Parque Nacional Grand Teton ou próximo deste. Em nome da família Laundrie, esperamos que a busca pela senhorita Petito tenha sido bem-sucedida e a senhorita Petito esteja novamente reunida com a sua família. Seguindo o conselho do advogado, a família Laundrie permanece em segundo plano neste momento e não fará mais comentários", lê-se numa declaração divulgada pelo advogado de Brian, Steve Bertolino.

Numa carta aberta dirigida aos pais de Brian, a família apelou por informações que possam ajudar as autoridades nas buscas pela jovem.

"Acreditamos que vocês saibam onde o Brian deixou a Gabby. Pedimos que nos digam. Como pais, como podem deixar-nos passar por esta dor e não nos ajudar?", questionam. "Por favor, se vocês ainda tiverem alguma decência, digam-nos onde está a Gabby. Digam-nos se estamos mesmo a procurar no local certo".

No entanto, o caso tornou-se, este sábado, numa “investigação de múltiplas pessoas desaparecidas”, uma vez que também Brian, até agora considerado uma "pessoa de interessse" no caso, está desaparecido desde terça-feira.

"O advogado da família de [Brian] Laundrie telefonou ao FBI na sexta-feira à noite, indicando que gostariam de falar com as autoridades sobre o desaparecimento do filho. A família alega que não vê o filho desde terça-feira", afirmou o porta-voz da polícia de North Port ao New York Post.

"Na sexta-feira foi a primeira vez que [a família falou] em pormenor com os investigadores. É importante notar que embora Brian seja uma pessoa de interesse no desaparecimento de Gabby, ele não está a ser procurado por um crime [...] Não estamos a trabalhar numa investigação de um crime. Estamos agora a trabalhar numa investigação de múltiplas pessoas desaparecidas", acrescentou.