Sociedade

Greve nas escolas continua

Pessoal docente e não docente irá continuar a manifestar-se contra a precariedade e para exigir melhores condições de trabalho.


A greve que teve início na semana de arranque do ano letivo e estava prevista de acabar na passada sexta-feira vai prolongar-se durante mais três dias. Até dia 22, quarta-feira, o pessoal docente e não docente irá continuar a manifestar-se contra a precariedade e para exigir melhores condições de trabalho.

À agência Lusa, André Pestana, do Sindicato de Todos os Professores (STOP), afirmou que, apesar de ainda não existirem dados referentes ao impacto da greve na semana passada, “há escolas um pouco por todo o país que estão encerradas”. A decisão de prolongar os protestos foi tomada de uma sondagem feita no início do mês que revelava que 80% dos inquiridos queriam fazer uma greve no início do ano letivo e desses
51% queriam que fosse durante mais de três dias.

Entre os principais motivos para a greve está a municipalização da educação, realizar a denúncia dos “concursos injustos” que permitem que professores menos qualificados passem à frente de outros, o pedido de atribuição de subsídio de transporte e o aumento dos “salários de miséria”.