Editorial Luz

Primavera-Verão-pré-Natal-Inverno

Há dias alguém dizia que estávamos às portas do Natal, embrulhando assim o outono num papel amarrotado, bem capaz de tirar valor ao presente ainda antes de se saber o que está lá dentro.


E com esta conversa imaginei de imediato a… Popota, lenda natalícia, a afinar a voz e a preparar-se para entrar pelos ecrãs de casa adentro já a partir do próximo mês – e, por consequência, os pais em sprints recordes para agarrar o comando antes de a criançada começar a birra e garantir que merece todos os brinquedos da feira do Natal porque mostrou um comportamento digno de quadro de honra ao longo de todo o ano. E uma lágrima no final, só para ver se ainda cabe mais um na lista.

Entretanto, pensei: ‘Bem, ainda falta’, mas qual não foi o meu espanto quando horas a seguir começou a tocar na rádio Mariah Carey e o seu sempre igual e intemporal desejo de Natal. «I just want you for my own/More than you could ever know/Make my wish come true...». E, imediatamente antes da frase mais cantada nas ruas, nos carros e nos centros comerciais durante o mês de dezembro, mudei de estação. De rádio, não me juntando ao grupo dos que defendem a sequência Primavera-Verão-pré-Natal-Inverno.

Confesso que dentro do lote de pessoas admiráveis, há um cantinho para todos aqueles que abrem as portas de casa com o pinheiro enfeitado e o presépio iluminado ainda o mês de novembro está a dar as boas-vindas.

Ainda falta, diria eu, mas os mais ansiosos lembrar-me-iam, sem me dar mais tempo, como dois meses passam num piscar de olhos.

Até pode ser verdade, e num ápice já teremos a Popota numa espécie de lembrete diário e em modo contagem decrescente para o dia 24 de dezembro.

Até lá, este ano já seremos presenteados com a possibilidade de ver as iluminações das ruas e avenidas, e os seus poderes mágicos no que respeita a envolver tudo e todos no espírito natalício.