Internacional

Eslovénia suspende vacinação com fármaco da Johnson & Johnson após morte de jovem de 20 anos

Mulher de 20 anos sofreu um acidente vascular cerebral duas semanas após ser inoculada com o fármaco. Este é o segundo caso de efeitos adversos graves associados à vacina Janssen na Eslovénia, num total de 120 mil pessoas vacinadas com o fármaco. 


A administração da vacina contra a covid-19 da farmacêutica Janssen, do grupo Johnson & Johnson, encontra-se suspensa, a partir desta quarta-feira, na Eslovénia. Em causa está a morte de uma jovem de 20 anos, duas semanas após ser administrada com o fármaco.

Segundo o ministro da Saúde esloveno, Janez Poklukar, a suspensão estará em vigor até que os especialistas avaliem se existe uma ligação entre a mulher, que sofreu um acidente vascular cerebral, e a vacina.

"Os benefícios continuam a superar os riscos", frisou.

Segundo a agência de notícias estatal STA, este é o segundo caso de efeitos adversos graves associados à vacina Janssen na Eslovénia, sendo que cerca de 120 mil pessoas foram inoculadas com o fármaco.

De sublinhar que a Eslovénia recorreu ao fármaco da Janssen após as autoridades terem implementado o uso de certificado digital covid-19 para permitir o acesso a vários setores de atividade, como por exemplo para trabalhar nas empresas estatais. Recentemente, o governo aprovou a compra de mais 100 mil doses adicionais da vacina unidose à Hungria.

No país, o uso da vacina do grupo Johnson & Johnson é recomendado a todas as pessoas com mais de 18 anos. Por cá, esta vacina é apenas recomendada a mulheres com mais de 50 anos e a homens com mais de 18.