Desporto

Schumacher "está cá mas não consegue comunicar", conta Piero Ferrari

O atual vice-presidente da scuderia italiana e filho do fundador levantou um pouco do véu que esconde o estado físico do automobilista. Michael Schumacher sofreu de um acidente em 2013 e desde então ainda não se sabe como se encontra o heptacampeão do mundo de Fórmula 1. 


Quase dez anos depois do acidente que mudou a vida de um dos melhores automobilistas de sempre, o atual estado de saúde de Michael Schumacher continua a despertar interesse, visto que pouco ou nada se sabe sobre a sua forma física.

Desta vez, Piero Ferrari, atual vice-presidente da scuderia italiana e filho do fundador, levantou um pouco do véu que esconde o estado físico do automobilista.

A propósito da entrega do prémio “Mecenate dello Sport 2021”, que distingue as individualidades que promovem com excelência o desporto em Itália, Piero Ferrari lembrou a “simplicidade” de Schumacher e recordou os momentos que partilharam ao longo dos campeonatos do mundo – nos quais o alemão chegou a vencer cinco dos sete títulos mundiais pela sua equipa – de Fórmula 1.

“Tive o prazer de ter Schumacher como hóspede em minha casa, bebíamos juntos uma garrafa de vinho tinto. Ele sempre gostou muito desses momentos de intimidade e tranquilidade. Sempre foi uma pessoa simples, clara, precisa, com uma personalidade muito linear”, afirmou, ao frisar que não gosta da forma como por vezes se fala do piloto alemão “como se estivesse morto”.

“Ele não está morto. Ele está cá mas não consegue comunicar”, revelou Ferrari.

Após o acidente, pouca informação foi divulgada sobre Michael Schumacher, contudo no início do mês, estreou um documentário – intitulado apenas “Schumacher” – na Netflix, que recorda a carreira estrondosa e também fala um pouco através do testemunho da mulher do piloto sobre o estado de saúde em que este se encontra.

“O Michael está cá. Está diferente mas está cá. E isso dá-nos força, acho eu. Estamos juntos. Vivemos juntos em casa. Fazemos terapia. Fazemos tudo o que podemos para que o Michael melhore e para garantir que está confortável. Tentamos que sinta que faz parte da família, que sinta o nosso elo. Aconteça o que acontecer, vou fazer tudo o que puder. Vamos todos. Estamos a tentar seguir em frente enquanto uma família, tal como o Michael gostava e ainda gosta. E estamos a seguir em frente com as nossas vidas”, disse Corinna, numa versão que confirma as declarações do vice-presidente da Ferrari.