Brasil Presente

Menos tensão em Brasília

O Presidente Bolsonaro chegou de NYC e percebeu que não poderia mais continuar brigando com o mundo.


por Aristóteles Drummond

Apesar da CPI proporcionar cenas lamentáveis entre os senadores e ter se tornado um processo inquisitório e não de apuração de responsabilidades pela demora na compra de vacinas, o clima melhorou. O Presidente Bolsonaro chegou de NYC e percebeu que não poderia mais continuar brigando com o mundo. Deu uma excelente e ponderada entrevista à revista Veja.

Parece que, finalmente, estaria ouvindo conselhos pelo bom senso. Caso consiga manter este comportamento, o avanço das reformas no Congresso pode melhorar a crise na economia e facilitar o controle nas contas, compromisso que o Presidente reiterou. Resta o drama hídrico, com a energia com preços assustadores.

O governo vai continuar a encontrar dificuldades e problemas, mas, talvez, num nível menos emocional. O governo acabou se beneficiando dos excessos da CPI e da mídia, que registram menos audiência nas transmissões de jornalismo. A grande dúvida fica por conta da reação do presidente ao cerco a seus filhos que respondem por questões ligadas a nomeações de assessores que não trabalham e devolvem parte dos salários em seus gabinetes de parlamentares, fatos já comprovados pelo exame nas contas bancárias.

Variedades

- Sondagem eleitoral pede conhecimento específico para uma avaliação correta, o que nem sempre acontece. Mas uma consultoria internacional entregou à importante Câmara de Comércio, em São Paulo, uma análise correta sobre a mais recente. Aponta a escolha pelo PSDB, postulante à terceira via, que deve recair no governador do sul, Eduardo Leite, e não no de São Paulo, João Doria. Embora apareçam empatados, o sulista é muito pouco conhecido ainda e tem baixa rejeição. Vantagens a serem consideradas por serem importantes.

- Extrema-esquerda de São Paulo representada pelo candidato à presidência derrotado, Guilherme Boulos, ocupou a sede da Bolsa de Valores. Tenta quebrar a paz interna que tem sido um fator positivo para o governo Bolsonaro. Era tudo que o presidente queria.

- Avançada a biografia do editor, empresário, escritor e poeta Augusto Frederico Schmidt. Figura influente na vida cultural, empresarial e política do Brasil dos anos 1930 aos 1960, em meio dos quais faleceu. O autor é o escritor e jornalista Anderson Olivieri.

- A megaconcorrência pelo G 5 deve ser em novembro e pode movimentar até oito mil milhões de euros. E o prazo para a cobertura estar em operação é 30 de junho de 2022.

- O Brasil ganha seu terceiro canal de jornalismo na televisão fechada. Depois da Globonews, no ar há 25 anos, e da CNN-Brasil, pouco mais de um ano, é a vez da Jovem Pan, já na internet e que é o veículo de comunicação mais afinado com o governo. A live do Presidente Bolsonaro, às quintas-feiras, é transmitida diretamente pela Rádio Jovem Pan e suas mídias. O novo canal vai gerar 500 empregos.

- Brasil presente no Grammy Latino com três nomes – os veteranos Caetano Veloso e Nana Caymmi e Giulia Bee, revelação jovem. Giulia é filha do empresário Paulo Marinho e irmã do sucesso que é André Marinho, comentarista e imitador de políticos de grande sucesso.

- O Presidente Bolsonaro quer prorrogar até abril do próximo ano e estender o auxílio emergencial para cerca de 25 milhões de brasileiros que foram atendidos com o Bolsa Família, que são 12 milhões. Os economistas acham que a repercussão nas contas públicas será a pior possível. 

- Pandemia quase cedendo, vacinação avançando, mas faltam vacinas para acelerar o programa e dar impulso à terceira dose, que este mês começará a atender aos com mais de 80 anos, médicos e demais profissionais ligados à saúde.

- Elogios do Fundo Monetário Internacional às contas do Brasil animaram o ministro Paulo Guedes, que apareceu muito nas mídias esta semana. E a abertura dos EUA para os brasileiros anima o setor de turismo. Condicionado à prova de vacina e exame PCR.