Internacional

Caso Gabby Petito. Homem garante que viu Brian Laundrie na Carolina do Norte este sábado

O indivíduo que se acredita ser Laundrie estacionou o seu carro ao lado de Davis para pedir informações acerca da melhor forma para chegar à Califórnia usando apenas estradas secundárias e recusou a sugestão de Davis de seguir a Interestadual 40 nas proximidades. 


Um engenheiro residente no estado norte-americano da Flórida garante que falou com Brian Laundrie - considerado a única "pessoa de interesse" na investigação que diz respeito à morte de Gabby Petito, sua noiva - numa estrada deserta perto da Trilha dos Apalaches, na Carolina do Norte, na manhã deste sábado.

“Não tenho dúvidas de que falei com Brian Laundrie - absolutamente nenhuma”, disse Dennis Davis, de 53 anos, ao New York Post. "A filha de Dog the Bounty Hunter enviou-me uma mensagem de áudio de Brian e a voz era a mesma que eu ouvi", explicou, adiantando que um homem perdido e atordoado acenou-lhe na Waterville Road, onde a Trilha dos Apalaches passa perto da fronteira da Carolina do Norte com o Tennessee. Recorde-se que os Apalaches são considerados uma área familiar para Laundrie, pois tem vindo a ser noticiado que viveu lá "sozinho por meses".

O indivíduo que se acredita ser Laundrie estacionou o seu carro ao lado de Davis para pedir informações acerca da melhor forma para chegar à Califórnia usando apenas estradas secundárias e recusou a sugestão de Davis de seguir a Interestadual 40 nas proximidades. Davis, pai de quatro filhos, que atualmente caminha pela Trilha dos Apalaches, disse que aquele que será Laundrie mostrou-se arisco e avançou que tinha discutido com a sua namorada.“Ele disse 'Estou perdido' e eu respondi 'O que estás a tentar encontrar?' e ele explicou que queria ir à Califórnia ver a companheira". Foi aí que Davis falou na I-40 e percebeu que Laundrie "estava preocupado e não fazia sentido". 

Apesar de não ter reconhecido de imediato o alegado homicida que se encontra desaparecido, Davis entendeu de quem se tratava depois de ouvir o áudio e rever as fotografias que têm vindo a ser divulgadas online. Supostamente, o jovem conduzia uma carrinha branca semelhante a um Ford F-150 e usava uma bandana escura na cabeça. Neste momento, Davis sente-se frustrado depois de ter realizado três chamadas para o FBI assim como para o 911 [equivalente ao 112 em Portugal] na Carolina do Norte e no Tennessee, pois estas nem sequer foram retornadas pelas autoridades.

Ainda que a estrada estivesse escura, Davis disse que os faróis de ambos os carros parados eram suficientes para ver o homem de tão perto. “Obviamente, como um pai com uma filha, quero fazer tudo o que puder para ajudar a família a encontrar o rapaz. A polícia provavelmente está a conseguir milhões de pistas sobre esse indivíduo, mas eu não sou um idiota por aí que usa drogas a meio da noite, sou um profissional altamente qualificado", explicou o engenheiro. “E eu sei que era ele. Não há dúvidas sobre isso. Tenho esta pista, mas ninguém faz nada, nem sequer um telefonema", lamentou.

Os restos mortais de Gabby foram encontrados no passado dia 19 de setembro. A família de Laundrie - que regressou a casa sem a companheira - demorou três dias para denunciar o desaparecimento do filho, sendo que os pais do alegado homicida afirmam que ele saiu de casa no dia 14 de setembro e contactaram as autoridades no dia 17.