Cultura

ModaLisboa. 57.ª edição arranca na quinta-feira com público nos desfiles

Depois de uma edição totalmente digital em março, a ModaLisboa regressa com público esta semana para a sua 57.ª edição, com a apresentação das coleções de 34 ‘designers’ de moda.


Entre quinta-feira e domingo, na Estufa Fria, no Capitólio e também em formato exclusivamente digital, serão 21 as apresentações de marcas e criadores nacionais, sem estação associada, à semelhança das edições anteriores.

Eduarda Abbondanza, diretora da ModaLisboa, recordou, em declarações à Lusa que esta será “a quarta edição “tailor made”, em português “feita à medida” da semana da moda de Lisboa, “em função do que são as restrições relativas à covid-19”: “Nunca poderíamos estar a fazer agora uma ModaLisboa que fosse aquilo que é o passado ou que já fosse definitivo para o futuro. Estamos a fazer um modelo que encaixa neste momento, que fazia sentido para nós neste momento”, afirmou a responsável.

Esta edição contará “já com presença de público, na ordem das 180/200 pessoas [por desfile]” e algumas apresentações exclusivamente digitais, “por opção dos ‘designers’”.

“Nós vamos fazer presencial, mas continuaremos a ter uma programação ‘online’. E mesmo que no futuro se cresça na parte presencial, penso que iremos sempre ter programação ‘online’”, contou Eduarda Abbondanza.

Entre as marcas e criadores que apresentam coleções nesta edição estão Luís Buchinho, Nuno Gama, Constança Entrudo, Carlos Gil, Ricardo Preto, Buzinha, Gonçalo Peixoto, Luís Carvalho, Nuno Baltazar, Cravo Studios, Béhen e Fora de Jogo.

Além disso, serão também apresentadas as coleções dos dez participantes do Sangue Novo (concurso destinado a finalistas de cursos superiores de Design de Moda de escolas nacionais e internacionais e jovens ‘designers’ em início de carreira).

Amor de la Calle, Anvi, Carolina Costa, Filipe Cerejo, Ivan Hunga Garcia, Maria Clara, Maria Curado, Reimão, Sousa e Veehana irão competir por cinco lugares para a final do concurso, a decorrer em março de 2022.

Os um dos cinco finalistas irá receber um apoio de mil euros para confecionar uma nova coleção, a ser apresentada na 58.ª edição, na qual se conhecerão os vencedores desta edição do Sangue Novo.

Além dos desfiles, a ModaLisboa inclui ainda uma programação paralela, que oferece “conversas e ‘workshops” exclusivamente presenciais, sem “livestream”, e outras exclusivamente digitais, “formativas e abertas a todos”, cujo calendário e mais informações podem ser consultados ‘online’.

No que toca ao futuro, Eduarda Abbondanza não faz previsões: “Iremos sempre responder dentro do que são desafios e perceção das coisas, sabendo que no futuro esperamos fazer coisas novas, mas precisamos de entender o mundo. Nós trabalhamos muito com a cidade e precisamos de entender esta nova cidade também. Neste tempo todo a cidade mudou muito, e nós precisamos de entender a cidade, porque a relação com a cidade sempre foi determinante para [o projeto ModaLisboa]”, sublinhou.

A ModaLisboa, organizada pela Associação ModaLisboa em pareceria com a Câmara Municipal de Lisboa, comemora trinta anos este ano.

A primeira edição aconteceu em abril de 1991 no Teatro São Luiz. Nessa altura, 13 criadores apresentaram coleções para o inverno de 1991/92.

Ao longo destes 30 anos, o evento realizou-se nos mais variados espaços da capital: desde o Mercado da Ribeira ao Pátio da Galé, passando pelo Pavilhão Carlos Lopes, Estufa Fria ou o Museu da Cidade, e chegou a realizar-se em Cascais e, no mesmo concelho, no Estoril.