Politica

Cristina Rodrigues quer reduzir estágios de advogados para um ano

Deputada propõe ainda que os estágios sejam obrigatoriamente remunerados.

Cristina Rodrigues quer reduzir estágios de advogados para um ano

DR  


Cristina Rodrigues, deputada não-inscrita, quer reduzir de 18 para 12 os meses de estágio de acesso à Ordem de Advogados. Além disso, o seu projeto-lei propõe ainda a remuneração obrigatória dos estágios.

Como motivo para justificar a redução do número de meses de estágio, Cristina Rodrigues sustenta-se no facto de a primeira parte do estágio constituir “simplesmente uma duplicação de conteúdos” devido às áreas nela visadas - “prática processual civil e prática processual penal” - serem já “lecionadas pelas instituições de ensino superior nas licenciaturas em Direito”. Tal, segundo a deputada, “força os estagiários a serem avaliados duas vezes sobre as mesmas matérias”, algo para o qual “não vê justificação”. Já a “deontologia profissional”, também incluída nesta primeira parte do estágio, não é descartada: “O estágio deve ser essencialmente prático, por forma a preparar os estagiários para o exercício da profissão, devendo por isso ser focado no relacionamento com os patronos, em intervenções judiciais e contactos com a vida judiciária, complementada com formação em áreas relevantes para esta prática, como a deontologia profissional, o regime do acesso ao direito e à justiça ou acções de formação temáticas que não representem uma duplicação de conteúdos”.

Quanto à proposta de remuneração obrigatória, a deputada não inscrita nota que “muitos dos estágios em advocacia não são remunerados, tendo os estagiários por isso que suportar todos os custos associados, nomeadamente transportes e alimentação”, classificando a situação como “particularmente grave” quando estes estagiam fora do seu local de residência. Mas não só: “A estes custos acrescem, ainda, os valores a pagar à Ordem os Advogados durante o período do estágio, que totalizam €1500”. Esta situação, segundo a deputada, coloca os estagiários “numa situação bastante precária e instável, porque, apesar de não receberem qualquer valor a título de remuneração, ainda têm que suportar custos elevados com a sua formação”.

Recorde-se que, neste momento, debate-se a possibilidade dos estagiários para a Ordem de Advogados passarem a necessitar de mestrado para serem admitidos, tendo esta sugestão o apoio da Ordem.

Os comentários estão desactivados.