Sociedade

BPP. Paulo Guichard detido pela Polícia Judiciária à chegada a Portugal

A PJ confirma a detenção de um homem de 61 anos, como nacionalidade portuguesa, que fora “condenado a uma pena única de quatro anos e oito meses de prisão efetiva pela prática de seis crimes de falsidade informática e um crime de falsificação de boletins, atas ou documentos”.


Paulo Guichard, ex-administrador do Banco Privado Português (BPP), foi detido na noite de quinta-feira no Aeroporto Internacional Francisco Sá Caneiro, no Porto. Segundo avança o Observador, a detenção foi executada pela Polícia Judiciária (PJ) em cumprimento de um mandado de detenção emitido pelo juiz Nuno Dias Costa.

Em comunicado, a PJ confirma a detenção de um homem de 61 anos, como nacionalidade portuguesa, que fora “condenado a uma pena única de quatro anos e oito meses de prisão efetiva pela prática de seis crimes de falsidade informática e um crime de falsificação de boletins, atas ou documentos”, processo que transitou em julgado.

Ao Observador, Nuno Brandão, advogado de Guichard, revela que já apresentou um pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal de Justiça.

Recorde-se que Guichard reside no Brasil e já tinha comunicado a sua intenção de regressar a Portugal para comparecer em audiência no Juízo Criminal de Lisboa, relativamente a um outro processo em que foi condenado a nove anos e seis meses de prisão e que ainda não transitou em julgado. "Logo que tiver chegado a Portugal, o arguido informará o tribunal dessa sua chegada. O arguido propõe-se apresentar e entregar o seu passaporte a este tribunal no dia seguinte ao da sua chegada a Portugal, e sempre antes das 14:00 do dia 08 de outubro de 2021", lia-se no requerimento de Nuno Brandão, advogado de Paulo Guichard, dirigido à juíza do Juízo Central Criminal de Lisboa.